Mostrando postagens com marcador reciclagem. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador reciclagem. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Clientes podem trocar lixo reciclável por alimentos em supermercado brasileiro



supermercadoalimentos-ecod.jpg
O Acre existe SIM – e está dando um banho de sustentabilidade nos demais estados do Brasil. A unidade federativa acaba de ganhar o primeiro supermercado brasileiro em que é possível comprar comida com lixo reciclável. Isso porque o estabelecimento, batizado de TrocTroc, oferece aos clientes a possibilidade de trocar PETs, latas de alumínio e lacres de garrafas plásticas por qualquer produto vendido no mercado.
Cada quilo de material reciclável vale R$ 0,50 em compras. Caso o cliente traga os resíduos já limpos e amassados, facilitando sua reciclagem, o valor do bônus tem acréscimo de 20%.
Nas prateleiras, artigos como frutas, grãos, legumes e verduras – tudo produzido localmente, a fim de valorizar os produtores rurais da região.
Aliás, não são só eles que estão sendo empoderados com a iniciativa. O TrocTroc foi idealizado por Marcelo Valadão, presidente da House of Indians Foundation – uma entidade internacional que luta pelo respeito e preservação da cultura indígena e que, não por acaso, deixou o supermercado aos cuidados de membros da tribo Ashaninka, a fim de fomentar a economia local e valorizar seus costumes de troca.
Já pensou quantas pessoas Brasil afora que, atualmente, estão em situação de vulnerabilidade – como moradores em situação de rua – poderiam ser ajudadas, caso a moda do supermercado TrocTroc pegasse?
(Por Débora Spitzcovsky, do The Greenest Post)


Fonte: EcoD 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

EPAMIG estimula hortas em pequenos espaços

Extraído do blog da EPAMIG 

????????????????????????????????????
Horta agroecológica implantada na EPAMIG Sudeste em Viçosa. Foto: Fernanda Fabrino
(Viçosa, 07.02.2017) – Um cantinho esquecido em uma casa e até uma varanda de apartamento pode ganhar um destino saudável e sustentável. A implantação de hortas agroecológicas em pequenos espaços vem sendo estimulada pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) e já chegou a instituições de ensino como alternativa de produção de alimentos em pequena escala.
Pesquisadores da Unidade Regional de Viçosa (MG) – EPAMIG Sudeste – instalaram uma unidade demonstrativa de cultivo de hortaliças construída sob uma área cimentada, com 30 metros quadrados, utilizando diferentes recipientes para mostrar a possibilidade do plantio em vasos e em embalagens recicladas, como garrafas PET. Segundo a pesquisadora Wânia dos Santos Neves, que coordena a atividade, o objetivo é mostrar que é possível cultivar em pequenos espaços.
“Com o crescimento da população na zona urbana, as residências estão cada vez menores e com espaço muito reduzido de áreas externas. Isso faz com que as pessoas percam o interesse ou se achem impossibilitadas de cultivar qualquer tipo de planta. Por isso é necessário que as pessoas tomem conhecimento que mesmo em pequenos espaços é possível o cultivo de hortaliças e plantas ornamentais com a construção de hortas de várias formas e tamanhos e em diferentes espaços”, explica.
Modelo para escolas e instituições
Na horta agroecológica implantada na EPAMIG, em Viçosa, foram cultivadas hortaliças, como pimentas malagueta, dedo de moça e biquinho, berinjela, jiló, espinafre, alface, agrião, couve, cenoura; ervas medicinais e aromáticas, como cebolinha, salsinha, orégano, camomila, hortelã, arruda, boldo, melissa; além de hortaliças não convencionais: taioba, capuchinha, jequeri e ora-pro-nobis. A pesquisadora Cleide Maria Ferreira teve a ideia de utilizar a área na EPAMIG e forneceu o apoio financeiro para reparos na estrutura física.
Durante todo o ano serão programadas visitas de escolas do ensino fundamental e médio do município para apresentar o modelo e incentivar o cultivo, ressalta Wânia. A ideia já ganhou adeptos. Em parceria com uma equipe de alunos do curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal de Viçosa (UFV) a EPAMIG implantou uma horta em um centro de recreação e educação de crianças no bairro Santa Clara, em Viçosa. As próprias crianças cuidam das plantas e acompanham o crescimento da horta, estimulando o consumo de alimentos saudáveis desde a infância.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Feijão Guandu , mais uma planta recicladora do solo !




É uma leguminosa de verão de porte alto e ciclo semi-perene. Tem como forte característica o sistema radicular agressivo e robusto que cresce em profundidade, reciclando nutrientes e descompactando solos adensados, fazendo uma subsolagem “biológica”
É rústica e se desenvolve bem em solos de baixa fertilidade, por isso é utilizada na recuperação de solos degradados. 
É usada também como cerca viva ou quebra vento em culturas perenes e no plantio de mudas no campo, evitando a radiação solar direta. 
Excelente forrageira para alimentação de animais, inclusive fornecendo forragem rica no período mais seco. Grande produtora de biomassa e fixadora de nitrogênio


 

Espécie - Cultivar - Família
Nome ComumGuandu-forrageiro (Arbóreo)
CultivarCaqui e IAC/Fava-larga
Nome CientíficoCajanus cajan
FamíliaFabaceae (Leguminosa)
Características da Espécie
Massa Verde (t/ha) (*5)20 a 40
Massa Seca (t/ha)(*5)5 a 9
N (kg/ha) (*5)120 a 220
Altura (m) (*5)2,0 a 3,0
Hábito de CrescimentoArbustivo ereto
Ciclo até o florescimento (dias) (*6)150 a 180
PMS (Peso de 1.000 Sementes) (g)110 a 130
Semeadura
Profundidade (cm)2 a 3
Em LinhaEspaçamento (m)0,50
Sementes/metro linear18 a 20
Densidade (kg/ha) (*2)50
A lançoSementes / m²45 a 50
Densidade (kg/ha)60
ÉpocaIdeal (*3)Out a Nov
Possível (*4)Set a Mar

Fonte: Piraí sementes

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Manual ensina a fazer fossa séptica sustentável com pneus reaproveitados

Compartilhe:          |  5 de junho de 2016

A fossa séptica desenvolvida pela
Prefeitura de Uberlândia é uma alternativa
 interessante para reaproveitar 
materiais que 
seriam descartados, ao mesmo tempo em 
que soluciona parte do problema 
de saneamento básico, comum em várias 
cidades brasileiras.
O Departamento Municipal de Água 
e Esgoto (DMAE) é o órgão responsável pela criação do sistema e pela fabricação 
das fossas sustentáveis entregues na cidade mineira. Mas, para não limitar o conhecimento
, eles criaram um manual que dá o passo a passo para que a ideia seja replicada 
em qualquer lugar.
A base para a fabricação dessa fossa são pneus de caminhão, conseguidos muitas
 vezes sem custo algum. De acordo com a DMAE, este modelo de fossa tem atraído
muitos produtores rurais e pessoas que moram em sítios e chácaras em áreas afastadas e 
pouco atendidas pelas redes de coleta de esgoto.
Cada fossa utiliza oito pneus, divididos em dois módulos. A conexão é feita diretamente 
no vaso sanitário. No primeiro módulo ocorre a decomposição dos rejeitos através 
de bactérias. A matéria orgânica se deposita no mundo do recipiente, enquanto o líquido gerado segue para o segundo módulo, onde as bactérias continuam atuando,
 removendo até 95% da matéria orgânica contaminante.
Clique aqui para acessar o manual de como fazer uma fossa séptica sustentável.


Fonte: Redação CicloVivo
- See more at: http://espacoecologiconoar.com.br/manual-ensina-a-fazer-fossa-septica-sustentavel-com-pneus-reaproveitados/#sthash.xTSVDnbF.K5uwUnHr.dpuf

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Muro de contenção é construído com pneus usados

 















Olhem só que ideía para conter a erosão em arroios e córregos.

 Boa semana!
Com o objetivo de evitar enchentes em alguns trechos de Igrejinha, o Departamento de Meio Ambiente do município construiu um muro de contenção feito a partir do uso de pneus usados. Depois da construção do dique do bairro Vila Nova, a primeira unidade do muro foi instalada há cerca de um ano no Arroio Koetz, no bairro Viaduto - visando evitar a erosão da margem de um trecho do arroio.
A construção experimental, baseada em um estudo anteriormente feito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), consiste na utilização de pneus usados, entrelaçados por arame galvanizado, amarrados em quatro pontos e preenchidos com algum material de peso expressivo disponível no local - como saibro ou pedras. Com o tempo, a vegetação vai crescendo em volta dos pneus - tornando o muro menos visível e mais resistente devido as raízes das plantas.
De acordo com informações da Administração Municipal, após concluir a eficiência do novo muro de contenção - que enfrentou as enchentes causadas pelas fortes chuvas que caíram no município nas últimas semanas, o Departamento de Meio Ambiente pretende implantar esta construção em outros pontos da cidade - como nos bairros Vila Nova e Centro.
Divulgação/Guilherme Augusto de Souza

Muro é feito com pneus usados, entrelaçados por arame galvanizado
Divulgação/Guilherme Augusto de Souza

Departamento de Meio Ambiente pretende implantar método nos bairros Vila Nova e Centro
PARANHANA ON-LINE

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Cada vez mais os resíduos são e deverão ser vistos não como lixo, mas como recurso.


Cada vez mais os resíduos são e deverão ser vistos não como lixo, mas como recurso.
Assim, a recuperação e reciclagem dos materiais é fundamental para a valorização dos resíduos.

Regras a seguir:
  • Escorra e enxague as embalagens usadas para evitar maus-cheiros;
  • Sempre que possível, amasse as embalagens usadas para reduzir o espaço que ocupam e facilitar o transporte;
  • Retire as rolhas e tampas pois são, normalmente, de material diferente da embalagem.
    Reduzir a quantidade de lixo que cada um de nós produz.
    Reutilizar, escolhendo produtos e embalagens que possam ser utilizadas várias vezes.
    Reciclar alguns componentes do lixo, de preferência se o separarmos na origem.

Plástico


Depositar:
Garrafas, garrafões e frascos de:

- água
- sumos e refrigerantes
- vinagre
- detergentes e produtos de higiene
- óleos alimentares

Sacos de plástico
Esferovite
Pacotes de leite e bebidas (ECAL)*
Iogurtes

*embalagens de cartão para alimentos líquidos

Não depositar:
Embalagens de produtos tóxicos ou perigosos, por ex.: combustíveis e óleo de motor.


Metal




Depositar:                                          Não Depositar:
- latas de bebidas                              Electrodomésticos
- latas de conserva                             Pilhas e baterias
- tabuleiros de alumínio                      Objectos que não sejam embalagens, por ex:
- aerossóis vazios                              tachos e panelas, talheres, ferramentas, etc.
- metalizados

Papel e Cartão


Depositar:
- embalagens de cartão, por ex.: caixas de cereais; bolachas, etc
- sacos de papel
- papel de embrulho
- jornais e revistas
- papel de escrita

Não depositar:
- embalagens de cartão com gordura, por ex.: pacotes de batatas fritas, caixas de pizza
- sacos de cimento
- embalagens de produtos químicos
- papel de alumínio
- papel autocolante
- papel de cozinha, guardanapos e lenços de papel sujos
- toalhetes e fraldas


Vidro

Depositar:                         Não depositar:
- Garrafas                       - Louças e cerâmicas (pratos, copos, chávenas, jarras, etc.)
- Garrafões                     - Materiais de construção civil
- Frascos                       - Janelas, vidraças, espelhos, etc.
- Boiões                         - Lâmpadas

Pilhas
Depositar:

Pilhas (salinas e alcalinas, de botão, de lítio e recarregáveis) e acumuladores - baterias recarregáveis (baterias de níquel cádmio, níquel metal híbrido e de iões de lítio).

Estas pilhas e acumuladores serão armazenados em condições de segurança e encaminhadas para valorização onde, através de vários processos, se separam e recuperam os diversos materiais que as constituem.
Nota: As pilhas são resíduos perigosos. Uma simples pilha pode contaminar 3000 litros de água!
Alguns aspectos negativos das lixeiras

- Contaminação das águas.
- Contaminação dos solos.
- Maus cheiros.
- Provocam incêndios.
- Formação de focos de doenças.
- Problemas paisagisticos.
- Problemas de sobrevivência de alguns seres vivos.



Algumas vantagens da Reciclagem:



- Economiza e reduz a procura de energia;
- Reduz a quantidade de matérias-primas necessárias para o fabrico de novos produtos;
- Reduz a quantidade de resíduos depositados em aterro;
- Protege a biodiversidade;
- Reduz o aquecimento global;
- Reduz a poluição da água;
- Reduz a poluição do ar;
- Reduz a quantidade de resíduos sólidos;
- Reduz a destruição de habitat


Por um Mundo melhor...
 Pedro Gonçalo C. S. Silva

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Vermicompostagem é um processo de reciclagem de resíduos orgânicos

Minhocultura

Minhocultura, ou vermicompostagem é o processo de reciclagem de resíduos orgânicos através da criação de minhocas em minhocários, oferecendo importante alternativa para resolver economicamente e ambientalmente os problemas dos dejetos orgânicos, como o lixo domiciliar. O produto final da vermicompostagem constitui num excelente fertilizante orgânico (húmus) capaz de melhorar atributos químicos (oferta, melhor retenção e ciclagem de nutrientes), físicos (melhoria na estruturação e formação de agregados) e biológicos do solo (aumento da diversidade de organismos benéficos ao solo).



Técnicas de Criação:

O local de construção do minhocário deve situar-se o mais próximo possível do mercado consumidor e da matéria-prima utilizada como substrato. Além de situar-se em uma área de fácil acesso, de preferência em locais parcialmente sombreados, mas com boa insolação, e em terrenos elevados, com pouca declividade, facilitando a construção dos canteiros e os sistemas de drenagem. Um fator limitante que devemos estar atentos na fase de elaboração do minhocário é a disponibilidade de matéria-prima e água em abundância e limpa no local, principalmente nos períodos de seca, quando é mais necessária para a irrigação dos canteiros.


Tipos de Criatórios:

- Caixas de madeira ou tonéis de 200 litros, cortados longitudinalmente, com furos na parte inferior.
- Canteiros de blocos, tijolos, madeira ou bambu, normalmente possuem 1 metro de largura por 0,30 a 0,40 cm de altura e o comprimento possível ou desejado. O piso do canteiro poderá ser cimentado ou terra batida.
- Sistema de montes com o piso em terra batida ou cimentado.


Fontes de matéria-prima:

Toda matéria orgânica de origem animal e vegetal passada pela pré-compostagem, ou seja, semi curado, livre de fermentação, pode ser usada na alimentação das minhocas. As minhocas exigem alimentações balanceadas, rica em nitrogênio, fibras e carboidratos. Quanto mais rica for à matéria-prima, maior será o sucesso econômico do seu empreendimento. Podemos utilizar como fontes de matéria-prima: estercos de boi, cavalo e coelho, restos de cultura (uma leguminosa, pois fixa nitrogênio, palha, folhas e cascas de frutas), resíduos agro-industriais (bagaço de cana), lixo domiciliar, lodo de esgoto.


Manejo do Minhocário:

A quantidade necessária de minhocas para iniciar a criação é de 1 litro, aproximadamente 1500 minhocas /m². Para um bom desenvolvimento do minhocário além de matéria-prima suficientemente rica para alimentar as minhocas, devemos proporcionar um ambiente adequado para o bom desenvolvimento e reprodução das minhocas, monitorando a temperatura (entre 20-25°C), umidade (70-85%), pH ( pH 7,0), aeração e drenagem do meio (o meio não deve ser compactado e nem encharcado). É interessante depois de preenchido os canteiros com as diferentes fontes de matéria-prima semi-curada, cobrir os canteiros com folhas de bananeiras ou restos de capina para manutenção de umidade e proteção contra incidência direta da luz solar, além de dificultar fuga das minhocas. A minhoca possui alguns inimigos naturais que devem ser controlados, dentre eles galinhas, sanguessugas, pássaros e formigas lava-pés. Se o ambiente natural não for favorável ao desenvolvimento das minhocas haverá fugas das mesmas, inviabilizando a produção do seu empreendimento.

terça-feira, 16 de junho de 2015

Borra de café: cinco usos que podem ajudar as plantas do SEU jardim

Conheça cinco dicas para dar um destino mais eficiente e sustentável às sobras do café

O café é uma das bebidas preferidas dos brasileiros, afinal, somos o segundo maior consumidor desse estimulante no mundo. Mas além de delicioso, o café também é um ótimo fertilizante para a terra, pois torna o solo mais fértil, rico em nutrientes, contribuindo para o bom desenvolvimento das plantas. Abaixo, listamos cinco fins que você pode dar para a borra do café, que, quando jogada no lixo, se decompõe e libera metano, gás cujo efeito é 20 vezes mais potente que o CO2 no desequilíbrio do efeito estufa (veja mais aqui). Com essas simples atitudes, portanto, você dará uma cara mais bonita ao seu jardim sem agredir o meio ambiente. Confira:
Na fertilização
A borra de café oferece vários nutrientes para o solo, além de proteger (elimina bactérias e outros micro-organismos danosos ao solo) e tornar as plantas mais produtivas. Mas antes de colocá-la na terra, é aconselhável adicionar um pouco de fósforo (farinhas de sangue e ossos ou esterco de aves) e potássio (esterco de outros animais), para que ela não roube o nitrogênio para se decompor, podendo, com isso, criar fungos;
Na compostagem
Com a borra de café adicionada à pilha de compostagem, esta emanará um cheiro mais ameno, ficará mais quente e conservará a umidade. Para maior eficácia, é recomendável adicionar folhas secas, que evitam o mau cheiro, e serragem, para reduzir a umidade (veja mais sobre compostagem aqui);
Como repelente de pragas
Ao usar o repelente químico é preciso considerar que, embora eficaz no combate às pragas, ele tem uma sobrevida maior na terra, pode matar outros insetos que são benéficos para a plantação, além de prejudicar a qualidade da planta. Para evitar esses transtornos, uma boa opção é utilizar a borra de café como repelente, principalmente se você mesmo tiver moído o café - ele se torna ainda mais efetivo no combate às pragas;
Para atrair minhocas
Minhocas adoram borras de café. Por isso, além de grãos de café, adicione restos de alimento e serragem. Desse modo, você convidará uma leva de minhocas para o seu jardim, o que o deixará mais rico em termos nutritivos. Dica preciosa: as minhocas adoram borras de café antigas. O cheiro de fermentação e de mofo é o preferido delas;
Na mudança ou alteração do solo
Se você estiver pensando em construir ou aumentar um canteiro ou ainda em consertar alguma seção do seu jardim, a borra de café é uma boa pedida. O solo e a terra devem ser misturados numa proporção de 50/50. Após efetuar a mistura, espere aproximadamente 60 dias para plantar alguma semente ou vegetal.

fonte; site ecycle

terça-feira, 2 de junho de 2015

Saiba como fazer uma horta caseira reutilizando garrafa PET

A ideia é reaproveitar materiais que iriam para o lixo para cultivar suas próprias hortaliças.

foto: http://jardinagemlibertaria.wordpress.com/2009/04/
Com a facilidade das compras em supermercados e feiras livres, deixou-se de se cultivar hortaliças e temperos dentro de casa. Para voltar às origens e descobrir o prazer que este hobby pode nos proporcionar o CicloVivo, com informações do Engenheiro Agrônomo, Juscelino Nobuo Shiraki, dá a dica de como se construir uma horta caseira suspensa, reutilizando garrafas PET.

A ideia é reaproveitar materiais que iriam para o lixo para cultivar suas próprias hortaliças. Além disso, a horta caseira é decorativa e deixa um aroma agradável no ambiente. O espaço pode ser pequeno, porém, precisa ser ensolarado. Você pode aproveitar pequenos espaços em casa, como quintais ou varandas. É importante escolher as espécies certas para o espaço disponível em sua casa.

Material

- Tesoura; Alicate; Arame;

- Garrafa PET; Isopor; Manta para jardinagem;

- Terra preparada; Hortaliças.

Métodos

Com auxílio da tesoura, faça furos grandes em cada uma das saliências do fundo da garrafa. Em seguida, corte uma janela na lateral do recipiente na parte intermediária. Para preparar o substrato que fica no fundo, vários materiais podem ser utilizados como, por exemplo, argila expandida e pedra britada, mas como a sugestão é um vaso suspenso, a escolha do material é importante. Neste caso usaremos isopor para ficar mais leve.

Cubra o fundo da garrafa com pedaços de isopor; em seguida corte em círculo a manta de drenagem e coloque sobre o isopor cobrindo-o totalmente. O círculo deve ter o diâmetro um pouco maior que o diâmetro da garrafa.

Em um recipiente separado, prepare a terra. Para este tipo de plantio ela deve ser composta por 50% de terra comum e 50% de terra preta. Preencha a garrafa PET até a metade com o preparado. Coloque sua hortaliça e ajeite bem, a seguir, adicione mais um pouco. Para que o solo fique firme, dê uma leva batidinha sob a mesa; este movimento fará a terra se assentar. Complete com mais um punhado até ficar um dedo abaixo da altura da ‘janela’. Este espaço é importante para que a água não transborde quando a hortaliça for regada. Para finalizar, faça um gancho com o arame e amarre-o no gargalo da garrafa.

Confira o vídeo com o passo a passo:
http://ciclovivo.com.br/noticia.php/1860/saiba_como_fazer_uma_horta_caseira_reutilizando_garrafa_pet/



sexta-feira, 13 de março de 2015

SENSACIONAL! Sistema ecológico permite recuperar rios poluídos


Implantado nas Filipinas, o sistema de tratamento ecológico conseguiu recuperar o Canal Paco, que hoje é considerado referência positiva na paisagem

6 DE MARÇO DE 2015
PUBLICADO POR
Redação
Os custos para a despoluição de rios são altos e envolvem processos demorados, cujos resultados muitas vezes não ocorrem em curto prazo. Dessa forma, os projetos de despoluição requerem excelência profissional, seriedade administrativa, envolvimento, empenho e firme compromisso do poder público e do setor privado, além do apoio e participação de toda a comunidade.
Porém, é possível adotar iniciativas criativas, com baixo custo e vontade política. Um exemplo é o projeto criado pela empresa escocesa Biomatrix Water, realizado nas Filipinas.
Foi desenvolvido um sistema de tratamento de água ecológico, de fácil implantação em rios, que conseguiu recuperar o Canal Paco, que hoje é considerado referência positiva na paisagem de Manilla, capital do país.
O sistema implantado consiste na instalação de “jardins flutuantes” – ilhas artificiais de aproximadamente 110 m², cobertas por plantas aquáticas capazes de filtrar os poluentes sem a utilização de produtos químicos.
O custo da despoluição por esse sistema é menor que a metade do custo com estações de tratamento de águas residuais convencionais, devido à integração e ativação do ambiente fluvial circundante.
O sucesso do processo de despoluição foi, também, resultado de obras de infraestrutura para evitar o despejo de resíduos no local e a instalação de um reator de aeração, capaz de adicionar ar à água e introduzir no ecossistema uma bactéria que se alimenta de poluentes.
O desafio agora está em implantar métodos semelhantes no Brasil. Até o momento, as iniciativas não saíram do papel. Em São Paulo, por exemplo, foi proposto o sistema de aeração no canal do Rio Pinheiros, para introdução de bactéria, porém foi rejeitado e proibido por medida judicial.
Fonte: Facebook da Biomatrix
Fonte: Facebook da Biomatrix
Fonte: Facebook da Biomatrix
Fonte: Facebook da Biomatrix
Fonte: Facebook da Biomatrix
Fonte: Facebook da Biomatrix
Fonte: Facebook da Biomatrix
Fonte: Facebook da Biomatrix
Fonte: Facebook da Biomatrix
FONTE: http://www.pensamentoverde.com.br/sustentabilidade/sistema-ecologico-permite-recuperar-rios-poluidos/