Mostrando postagens com marcador frutiferas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador frutiferas. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 21 de junho de 2017

A arte de podar, necessidade ou não?


                 

A arte de podar nasceu da irracional iniciativa de um asno e essa origem muar desse ramo da horticultura parece ter influído até hoje na evolução pouco esclarecida dos processos e métodos mundiais de poda. Contamos Portes & Ruyssen (1884) que, segundo Pausâmias, geógrafo e historiador grego, foi um jumento que, devorando os sarmentos de uma videira, deu aos nauplianos a idéia de podá-la 
 (Inglez de Souza, 1986). 

Considera-se que cabras, ovelhas e burros foram os descobridores da poda e, portanto, são chamados de os pais da poda.

Quando as plantas começam a diminuir a sua atividade fisiológica, ou seja, com a chegada do frio, é sabido que está chegando a hora correta  de se fazer uso da tesoura  de poda. Deve-se então preparar  com antecedência as ferramentas  com por exemplo: amolar  as ferramentas, limpar  as lâminas impregnadas de ferrugem  por estarem guardadas  desde o ano anterior, lubrificar  a mola da tesoura e afiar o serrote.
O ritual do corte está para começar.





Definições e Objetivos


Para Joaquim Rasteiro, podar “é o conjunto de cortes executados numa árvore, com o fim de lhe regularizar
a produção, aumentar e melhorar os frutos, mantendo o completo equilíbrio entre a frutificação e a vegetação normal, e, também com o fim de ajudar a tomar e a conservar a forma própria da sua natureza, ou mesmo de a sujeitar a formas consentâneas ao propósitos econômicos de sua exploração”.

A importância de se podar varia de espécie para espécie, assim poderá ser decisiva para uma, enquanto que para outra, ela é praticamente dispensável. Com relação à importância, as espécies podem ser agrupadas em:

Decisiva: Videira, pessegueiro, figueira, nespereira.
Relativa: Pereira, macieira, caquizeiro, oliveira.
Pouca importância: Citros, abacateiro, mangueira, nogueira, pecã.

Como regra geral para se saber se a poda é uma operação importante ou não, pode- se estabelecer que ela é tanto mais necessária quanto mais intensiva for a exploração frutícola e, inversamente menor a sua importância quanto mais extensiva for a cultura. Esta importância da poda está também diretamente relacionada com o objetivo da exploração, ou seja, que tipo de produto o mercado exige; pois com a poda pode-se melhorar o tamanho e a qualidade dos frutos.

O podador deverá fazer uso de seus conhecimentos e habilidades,
onde um gesto seguro reflete a  convicção
de quem acredita que a interferência humana é imprescindível para modelar um pomar.
Na natureza, as plantas crescem sem qualquer modelamento, buscam sempre a tendência natural de crescerem em direção à
luz, tomando a forma vertical, e com isso perdem a regularidade de produção.

Para que a poda produza os resultados esperados, é importante que seja executada levando-se em consideração a fisiologia e a biologia da planta e seja aplicada com moderação e oportunidade.

A Arte de Podar
Embrapa – Meio Ambiente Setembro de 2009

quarta-feira, 24 de maio de 2017

A IMPORTÂNCIA DAS PODAS NAS ÁRVORES FRUTÍFERAS

 Vamos apoveitar esta época para podar nossas frutíferas!

Boa semana!

alexandre


As podas fazem parte de um conceito mais amplo, que é o de conservação da vegetação, seja ela nativa, ornamental ou de grandes áreas cultivadas comercialmente para a produção de alimentos.

Elas podem ser executadas tendo em vista uma variedade distinta de objetivos, todos eles direcionados ao melhor desempenho possível que podemos obter de uma planta.
De uma maneira geral, podemos dizer que as podas são executadas para que façamos certas correções no desenvolvimento das plantas, de acordo com as necessidades de luz, adubação e irrigação, ou seja, para mantermos a planta saudável e com um desempenho adequado às suas características. É um importante recurso utilizado para obtermos resultados concretos na produção de muitos tipos de plantas e árvores. Desta maneira, torna-se uma técnica economicamente muito importante para agricultores, pois pode representar aumento na produtividade e maiores lucros.




Existem três tipos básicos de podas, que são executadas de acordo com a planta e o objetivo do
cultivo. São elas a poda de produção, a poda de limpeza e a poda de formação.

A poda de produção, como o nome já explica, visa aumentar a produção e a produtividade de uma planta. É amplamente utilizada no cultivo comercial de frutíferas, por exemplo. Para que este tipo de poda surta os melhores efeitos, o agricultor deverá conhecer muito bem o processo vegetativo das plantas, sob o risco de diminuir a produtividade, ao invés de aumentá-la.

A poda de limpeza é a mais conhecida, utilizada não só em grandes plantações mas, também, em jardinagem caseira. Esta modalidade visa eliminar galhos ou ramos mortos, secos, ou que apresentem má formação. Isto faz com que a energia vital da planta não seja "desperdiçada" com estes ramos ou galhos problemáticos, ajudando no melhor desenvolvimento do vegetal.

Por último, existe a poda de formação que é feita no início da vida do vegetal, quando este atinge um certo tamanho e precise sofrer uma correção no rumo de seu desenvolvimento. Este procedimento faz com que as plantas cresçam mais fortes, com boa formação de arbustos, frutificações, etc. e principalmente, alcancem o máximo de sua produtividade através de uma condição bastante saudável.

As podas devem ser feitas com ferramentas adequadas, para cada tipo de planta ou cultura. Não devem ser feitos cortes irregulares e, para isso, os instrumentos utilizados devem ser bem cortantes e afiados. Como as podas são feitas desde pequenos vegetais até grandes árvores, as ferramentas utilizadas podem e devem ser completamente diferentes, variando desde um pequeno alicate especial para poda até uma motosserra, utilizada para a execução de podas em grandes árvores.

Como toda poda é uma "mutilação", mesmo que benéfica, em certos casos é interessante que se utilize algum produto especial, no local do corte, para que haja uma cicatrização mais rápida e eficiente. Esses produtos são facilmente encontrados no comércio especializado.
Por último, é importante ressaltar que em plantações comerciais nas quais os procedimentos de poda geram uma grande quantidade de resíduos (os ramos podados), estes devem ser tratados e utilizados de maneira racional e ecologicamente correta. Não devemos proceder queimadas, em hipótese alguma. Além disso, estes resíduos podem ser aproveitados para a geração de energia, através da produção de biomassa e há, também, a alternativa de uso na produção de composto orgânico.

Data Edição: 05/07/05

Fonte: Redação RuralNews

Mais sobre poda nos sites:
 http://www.adjorisc.com.br/jornais/folhadooeste/impressa/agronegocios/poda-em-arvores-frutiferas-propicia-beneficios-a-planta-1.317958

http://redeagroecologia.cnptia.embrapa.br/boletins/frutiferas/poda%20de%20frutiferas.pdf

segunda-feira, 13 de março de 2017

Corte de grama pode matar as árvores! Como proteger?

retirado do Blog arvores de São Paulo

É comum ver nas áreas verdes da cidade a cena de trabalhadores com roçadeiras cortando o gramado entre árvores ainda jovens. É um método rápido e eficaz de resolver o problema e deixar a cidade com um aspecto melhor, mais arrumado, e aparentemente isso não prejudica em nada as plantas do parque ou praça.
???????????????????????????????
Corte de grama em uma praça paulistana
A questão fica por conta de um detalhe inusitado: esse tipo de cortador de grama geralmente chega bem perto do tronco da arvorezinha e encosta nela, na tentativa de “caprichar” o trabalho e não deixar grama alta em volta da árvore. Nesse momento, a máquina arranca em círculo a casca, fazendo algo que pode matar o exemplar e é conhecido como “anelamento”, promovendo a interrupção total ou parcial do fluxo de seiva e sequelas para a planta.
Grande parte das mudas urbanas devem morrer vagarosamente ou “não pegar” por esta causa, e não somente vandalismo ou falta de água.
Muda de árvore com feridas causadas pela roçadeira.
Muda de árvore com feridas causadas pela roçadeira.
A mesma árvore de cima agonizando
A mesma árvore da foto de cima, um guapuruvu, agonizando provavelmente por causa dos cortes. Condenada ao nanismo, deformação ou morte lenta.
Esse problema já foi percebido por outras cidades e a solução é muito simples, não exige trocar o equipamento de corte, vultosos recursos públicos ou trabalhosos coroamentos em volta da muda que a ressecam:
???????????????????????????????
Simples e barato – um pedaço de cano de pvc cortado na vertical serve de “perneira” para a muda e a protege. Aterro do Flamengo – Rio de Janeiro.
Vista das mudas protegidas no Aterro do Flamengo - Rio de Janeiro.
Vista das mudas protegidas no Aterro do Flamengo – Rio de Janeiro.
Em Buenos Aires, estado da arte: ym cano espaçoso para o tronco e que protegerá a planta ainda por muitos anos. reparem nas marcas deixadas pela lâmina ou fio da roçadeira.
Em Buenos Aires, o estado da arte: um cano espaçoso e resistente  para o tronco e que protegerá a planta ainda por muitos anos, fixado com duas estacas caprichadas para não sair. Reparem nas marcas deixadas pela lâmina ou fio da roçadeira – esse impacto iria para o tronco.
Para finalizar  e aplaudir o cuidado dos nossos vizinhos com as árvores urbanas, elas ganham além da "perneira" protetora do seu colo, uma coleira que afsta inimigos como insetos.
Para finalizar e aplaudir o cuidado dos nossos vizinhos portenhos com as árvores urbanas, lá elas ganham além da “perneira” protetora do seu colo, uma coleira próxima a copa que afasta inimigos naturais como insetos.
E em São Paulo, a maior cidade do Brasil?  Quando se dará tal atenção para que as nossas árvores jovens sobrevivam, promovam saúde e o dinheiro do contribuinte seja justificado?
Ricardo Cardim

Colabore com Doações de pedaços de cano PVC 100 mm.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

PODA DA CARAMBOLA, como fazer?





Neste vídeo, Roberto Losque mostra como ele faz a poda de inverno no pé de carambola. Nosso consultor fala em condução e consórcio. Veja mais em www.tvsitio.com.br

sábado, 19 de dezembro de 2015

Manchas nas laranjeiras

Extraído do site: http://www.jardineiro.net/

Pergunta: Tenho várias laranjeiras na serra de Teresópolis. Tenho observado que estão morrendo. Elas tem aproximadamente 15 anos. Gostaria de saber o tempo de vida dessas frutíferas (em média) e os cuidados necessários, tais como poda, controle de pragas, etc. Acredito que estão com alguma praga pois em seus caules tem manchas brancas (pelinhos verdes) como se houvesse mofo e também seus galhos mais externos perderam as folhas e estão secos e quebradiços. O que devo fazer? – Lucia Jambo
Resposta: Olá Lucia,
As manchas brancas nas fotos, nada mais são do que líquens. Em geral eles não provocam mal à planta, pois não são parasitas ou doenças. Pelo contrário, na maioria das vezes são indicadores da qualidade ambiental. (quanto mais variados forem os tipos e mais abundantes os líquens, melhor é a qualidade do ar no local). O líquens são associações simbióticas entre algas e fungos. Eles se utilizam da casca da árvores como suporte e podem decompor apenas as partes mortas da casca da planta e partículas que vem no vento e nas chuvas. No entanto, quando eles são muitos, acabam impedindo que a luz do sol chegue aos ramos, fazendo com que a planta fique um pouco “abafada”. Eles são mais frequentes nas plantas velhas.
O tempo de vida útil de um pomar de citros é de 20 anos. Como seu pomar tem 15 anos, pode ser considerado velho. No entanto, antes de renová-lo com novas mudas você pode tentar a poda de rejuvenescimento, podando todos os ramos 30 a 40cm acima das pernadas, expondo assim todo o tronco e a parte restante dos ramos principais. Elimine também os ramos ladrões, além dos secos e doentes. Efetue essa poda com serrote, deixando cortes limpos. A poda de rejuvenescimento deve ser realizada após a frutificação. O tronco e os ramos devem ser caiados, para eliminar parasitas, matar os liquens e proteger as árvores do sol forte. Queime esses restos de poda para que não se tornem focos de reinfestação de pragas e doenças.
Sugiro que você solicite uma análise de solo com recomendação para a área do seu pomar, que indicará quais os nutrientes ele precisa para melhorar a produção. A análise de solo tem um excelente custo/benefício, e as informações que ele dá são valiosíssimas. Procure se informar nas faculdades de agronomia ou escritórios da emater sobre o mais próximo do seu sítio.
Boa Sorte!
Raquel Patro
Sobre 
Raquel Patro é editora do site Jardineiro.net e uma pessoa totalmente fascinada pela natureza, principalmente por plantas e jardins. Criou o site Jardineiro.net para disseminar sua paixão, contagiando novos adeptos e entusiasmando os antigos.

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Porque os solos encharcados prejudicam o crescimento das frutíferas?

Devido ao fenômeno El Nino, estamos tendo um inverno e primavera chuvosa no RS. O que ocasiona o aumento do lençol freático prejudicando o crescimento dos vegetais, principalmente as mudas de frutíferas, pois falta oxigênio nas raízes devido a ocupação dos poros por água.


 O QUE É LENÇOL FREÁTICO? 

De toda a água que cai numa chuva, uma parte infiltra no terreno e o resto escoa pela superfície. A parte que corre pela superfície vai formar a enxurrada e a parte que infiltra vai formar o lençol freático.

A água que infiltra não fica parada dentro do terreno. Ela escoa, flui, formando uma rede de percolação até encontrar um barranco ou a beira de um rio onde a água aflora (sai) na forma de mina, também conhecida como bica. 
A análise da crosta terrestre, em relação à água da chuva que se infiltra permite distinguir duas zonas: saturada e não saturada.














A zona não saturada, também denominada zona de aeração, ou zona de infiltração, possui água e ar que preenchem poros e fissuras das rochas. Por baixo encontra-se a zona saturada, que constitui o aquífero, e onde todos os poros e fissuras das rochas estão preenchidos com água. A zona não saturada situa-se entre a superfície do solo e o topo da zona saturada.
Na zona não saturada, ou edáfica (que significa solo), a água pode comportar-se de forma gravitativa (ou seja, escoando verticalmente no sub-solo após infiltração na sequência da precipitação); pelicular (quando a água adere-se às partículas do solo por força da absorvição); e capilar (quando a água preenche parcialmente os poros da rocha através de forças capilares, podendo ainda ser distinguida a água capilar isolada da água capilar contínua). Neste último caso a água chega a ter um comportamento de deslocação vertical ascendente a partir da zona saturada, que é tanto mais importante quanto mais finos forem os poros ou fissuras da rocha.
  dc161.4shared.com

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

O Bichinho da Goiaba

Publicado em 12 de agosto de 2013Rafael Meirelles  Sem comentários ↓

Mosca-das-frutas
Anastrepha fraterculus durante oviposição
Foto: Bisotto
Lembra do bichinho da goiaba? Pois é. Aparentemente pode estar se tornando um problema para os paisagistas.
O bicho da goiaba é conhecido popularmente como mosca-das-frutas. São insetos da ordem Diptera, da família Tephritidae. No Brasil existem apenas quatro gêneros que chegam a causar danos. Os Gêneros Rhagolethis e Bactrocera ocorrem somente em algumas regiões ou em algumas frutíferas. O Gênero Ceratitis é o único exótico com apenas uma espécie descrita no Brasil, conhecida como mosca-do-mediterrâneo (Ceratitia capitata). O Gênero mais expressivo com 95 espécies em todo o país é Anastrepha. No RS a espécie A. fraterculus é a mais encontrada.
A fêmea oviposita nos frutos e a larva se alimenta da polpa causando um desbalanço hormonal violento e culminando com a queda precoce e necrose do fruto na região afetada. Outro problema é que o gênero Anastrepha possui muitas espécies descritas como pragas quarentenárias em muitos países importadores, o que impossibilita a exportação de frutos para consumo “in natura”.
Mas onde entram os paisagistas nesta história toda?
Recentemente, têm se tornado moda o uso de frutíferas nativas da família Myrtaceae – como pitangas, araçás, feijoas e murtas – em projetos de paisagismo. Em muitas empresas que atuam no RS com frutos, como maçãs e uva, é normal se encontrar grandes jardins circundando a sede administrativa ou então os centros de vivência dos funcionários com muitas árvores frutíferas. Ao lado de pomares de maçãs, pêssegos ou de vinhedos convivem um montante enorme de mirtáceas. Sim, é bonito. Mas pode ser um grande problema.
As frutíferas da família Myrtaceae são hospedeiras de moscas-das-frutas, principalmente do gênero Anastrepha. Então devemos cuidar para não trazer plantas que possam ser hospedeiras para as moscas em épocas em que não encontramos a fruta principal no campo. É um refúgio tentador para os insetos indesejáveis.
Muitos agrônomos recomendam cortar as mirtáceas do entorno dos pomares. Eu costumo dizer que o paisagista é um artista e que o jardim é sua obra de arte. Agora, você consegue imaginar um moleque com um pincel atômico pintando um óculos e um bigode na Mona Lisa? Seria mais ou menos isso que aconteceria se uma árvore fosse cortada do jardim que o paisagista projetou.
Mosca-das-frutas
Anastrepha fraterculus durante oviposição
Foto: Bisotto
Para se evitar esse tipo de situação, devemos estar atentos com o seguinte: há pomares comerciais próximos ao jardim? Se há, tem mão-de-obra para coletar diariamente os frutos que caírem no chão?
Em estudos realizados no Bioecolab, na Faculdade de Agronomia da UFRGS, se pode observar que em araçás, por exemplo, se têm até cinco pupários (fase de casulo da mosca) por fruto. Uma infestação enorme.
Mas não somente moscas encontramos nos frutos. Encontramos também alguns inimigos naturais: os parasitóides (microhimenopteros – vespinhas – que na fase de larva se alimentam da larva ou da pupa da mosca). Para se manter os parasitóides dentro da área, podemos juntar os frutos do chão e colocá-los em um tonel com areia no fundo e com uma tela emcima. A tela de porosidade média impede a saída da mosca e favorece a saída do inimigo.
Então, se há mão-de-obra para o recolhimento dos frutos, o jardim pode contar com as frutíferas nativas, e pode ser embelezado com essas que são belas árvores com trocos que podem ser escaladas por crianças ou que podem fornecer frutos deliciosos. Mas se não houver pessoal para recolhimento ou for uma área de risco para algum pomar, então é melhor trocar por alguma outra árvore.

sábado, 1 de agosto de 2015

Doenças do inverno: Como combater a fumagina


A fumagina é uma doença causada por fungos.Estes fungos se reproduzem nas folhas, frutos e caules formando uma película de cor preta. É um fungo que desenvolvem sobre o melaço que excretam as pragas como os pulgões , as cochonilhas e a mosca branca .O principal dano causado não é diretamente mas sim indiretamente. O fungo não prejudica em nada o tecido da folha . Como a película que forma sobre o tecido é escura e opaca , não permite entrar nada de luz nem ar provocando a queda prematura das folhas e impede a realização da fotossíntese enfraquecendo a planta até causar sua morte.

DESCRIÇÃO:

A fumagina é causada por fungos do gênero Capnodium sp., vivendo associada ao pulgão, que excreta uma substância açucarada propícia ao desenvolvimento do fungo fuliginoso.

SINTOMAS:

Caracteriza-se pela presença de uma crosta espessa e negra cobrindo total ou parcialmente a parte dorsal das folhas e ramos do hospedeiro.

DANOS:

Não ataca os tecidos da planta, apenas recobre-os com uma cobertura preta constituída de micélio, onde coloniza as secreções dos insetos. Ela aparece após as plantas serem infestadas por insetos, como pulgões, cochonilhas e moscas brancas que sugam a seiva das plantas e liberam o excesso de líquido sobre as folhas onde se estabelece o fungo. A camada preta que está nas folhas é prejudicial porque dificulta a fotossíntese e causa ressecamento. Com isso, a planta terá menos energia e poderá morrer. Copnodium citri é o agente causal da fumagina.

As substâncias açucaradas produzidas por pulgões, cochonilhas e moscas brancas atraem pequenas formigas pretas que se encarregam de espalhar o material em toda a planta.

CONTROLE :

A fumagina é facilmente controlada com poda de limpeza e controle das cochonilhas com óleo mineral de Neem. Não aplicar durante o período de floração e nas horas mais quentes do dia. Com as aplicações e sem ambiente propício, a fumagina será eliminada naturalmente, principalmente quando iniciar as chuvas.

fonte:https://www.ecoirrigacaoejardim.com.br/dicas

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Época de semear crotalária! Excelente adubo verde.


Crotalária

Crotalaria juncea cv. Comum 
( CROTALÁRIA JUNCEA )

Origem: Índia e Ásia Tropical
Nome científico: crotalaria junceae
Ciclo vegetativo: Anual (210 a 240 dias)
Fertilidade do solo: Média a alta (solos bem drenados)
Forma de crescimento: Ereto, subarbustivo
Utilização: Tóxica aos animais pode ser usada para adubação verde, prod. de fibras e controle de nematóides
Altura: 2,0 a 3,0 m
Precipitação pluviométrica: Acima de 800 mm
Tolerância a seca: Alta
Tolerância ao frio: Média
Tolerância ao encharcamento: Baixo
Profundidade de plantio: 2 a 3 cm
Produção de forragem: 30 t MS/ha/ano
Produção de fibra: 2,5 t/ha
Fixação de Nitrogênio: 150 kg/ha/ano


ORIGEM
    
Originária da Índia tropical (explorada como planta têxtil).


CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS

Leguminosa subarbustiva, de porte alto (2,0 a 3,0 m), pubescente de caule ereto, semilenhoso, ramificado na parte superior, com talos estriados. Folhas unifolioladas (simples), com pecíolo quase nulo, sésseis, elípticas, lanceoladas e mucronadas; nervura principal fortemente pronunciada. Flores de 2 a 3 cm de comprimento (15 a 50 por inflorescência). Vagens longas, densamente pubescentes, com 10 a 20 grãos de coloração verde-acinzentado, reniformes, de face lisa. 
    

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS

É uma leguminosa anual, de crescimento inicial rápido, com efeito alelopático e/ou supressor de invasoras bastante expressivo.
Planta de clima tropical e subtropical, não resistindo a geadas. Tem apresentado bom comportamento nos solos argilosos e arenosos.
Semear de setembro até dezembro, nas regiões onde ocorrem geadas a partir de abril/maio; em locais onde não ocorrem geadas, pode ser semeada até março/abril.
Pode ser cultivada solteira, consorciada com milho, mandioca, etc, ou intercalada ao cafeeiro e outras culturas perenes. Semeia-se a lanço, em linhas ou, em alguns casos, com matraca (registro todo fechado). Quando em linhas, recomenda-se um espaçamento de 25 cm, com 20 sementes por metro linear (40 kg/ha de sementes). O peso de 1.000 sementes é de 50 gramas.
A Crotalária em algumas situações apresenta problemas com a lagarta Utetheisa ornatrix, que ataca as inflorescências e as vagens, e alguns casos de Fusarium sp. que causa a murcha e o tombamento das plantas.
Para os problemas com Fusarium recomenda-se a rotação de cultivos ou a utilização de variedades resistentes.
No estado de São Paulo é empregada principalmente nas áreas canavieiras com problemas de nematóides obtendo-se bastante êxito na diminuição das populações desses organismos do solo.
O manejo deverá ser feito na fase de plena floração (110 a 140 dias), com rolo-faca, incorporação através da aração, roçadeira, ou corte com enxada ou gadanho. 
Para produção de sementes, recomenda-se o plantio de 15 a 20 sementes por metro linear, com um espaçamento de 40 a 50 cm entre linhas (20 a 30 kg/ha de sementes). A colheita poderá ser feita manualmente ou através de colheitadeira, quando mais de 70% das vagens estiverem secas.
O ciclo completo varia de 210 a 240 dias.


VANTAGENS 

Crescimento relativamente rápido e um importante efeito supressor e/ou alelopático às invasoras. Tem produzido elevada fitomassa, adaptando-se bem em diferentes regiões. Por seu rápido desenvolvimento é um cultivo de notável valor para cobertura do solo e adubação verde. Nos EUA tem sido empregada para silagem.
Quando cultivada por muito tempo no mesmo local, intensificam-se os problemas fitossanitários (especialmente com Fusarium spp). Às vezes, ventos fortes poderão causar o tombamento das plantas.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Árvores Frutíferas em Brasília - Momento Ambiental





Basta um passeio pelas quadras residenciais de Brasília para descobrir uma característica típica da cidade: a presença de árvores frutíferas no perímetro urbano. A variedade é grande e vai de espécies do cerrado, como a cagaita, até outras mais comuns como a manga. O Momento Ambiental mostra o trabalho feito por uma arquiteta que mapeou as árvores desse tipo e fez um guia, no mínimo, diferente . Pouca gente sabe, mas o plantio feito há mais cinquenta anos, quando a cidade ainda era um canteiro de obras, teve como objetivo principal atrair pássaros para o planalto central.

domingo, 19 de julho de 2015

Espécies de frutíferas se desenvolvem em vasos, colorindo sacadas e jardins


Algumas espécies se adaptam a locais menores e podem ser cultivadas em sacadas ou jardins reduzidos. Confira os cuidados básicos para tê-las em casa
Quem tem sabe como é bom colher e comer uma fruta do próprio jardim. É prazeroso não apenas pelo sabor, mas pela satisfação de degustar algo cultivado por nós mesmos. E não é preciso ter amplas casas ou propriedades rurais para isso, bastam alguns cuidados e um pouco de disposição. Em varandas de apartamentos ou em jardins reduzidos, enriquecer a área verde com plantas frutíferas é uma possibilidade.

Morango se adapta bem ao cultivo em vasos. Foto: Julio Cesar Giuliani, Arquivo Pessoal 
Em áreas externas, há como alternar as frutíferas com outros tipos de plantas e arbustos sem prejuízo estético. Conforme a arquiteta e paisagista Daniela Sedo, a tendência do paisagismo com frutíferas é aproximar o homem com a natureza: 
– Este tipo de planta atrai passarinhos, o que contribui para o ecossistema, além de ser educativo para as crianças, pois elas percebem o desenvolvimento da árvore até chegar ao ponto do fruto ser consumido – teoriza. 

Alface plantado em cano de PVC é uma solução simples e saudável para ter plantas frutíferas em casa. Foto: Julio Cesar Giuliani, Arquivo Pessoal 
Porém, antes de decidir quais as espécies se pretende ter, é importante responder algumas perguntas com relação ao espaço disponível e à dedicação prevista: Há incidência de sol no local? O ambiente é arejado, mas sem vento excessivo? Aprecio a fruta da espécie que plantarei? Tenho tempo disponível para irrigar? E para podar e adubar? 
Segundo o engenheiro agrônomo e mestre em horticultura Julio Cesar Giuliani, conhecer em detalhes o local onde as mudas serão plantadas é o primeiro passo para o resultado ideal da equação jardim saudável e dono feliz: 
– Sol é fundamental. Sabendo que se tem mais de quatro horas ou cinco horas diárias de sol já é possível escolher qual o tipo de frutífera que se deseja ter – explica Giuliani. 
Plantas ideais para vasos

De porte pequeno, amoreira também se enquadra muito bem se plantada em vasos. Foto: Julio Cesar Giuliani, Arquivo Pessoal
Além do sol, ter uma frutífera exige cuidados essenciais. Irrigação e drenagem eficiente no vaso, poda (de galhos e raiz), adubação e ventilação são procedimentos vitais para um jardim cheio de vitalidade. Acompanhamento de um agrônomo ou de paisagista também é recomendado. 
Espécies como jabuticabeira, citros em geral (bergamota, laranja, limão e laranjinha kumquat), pitanga, romã, amora, acerola, morango e goiaba medem, em média, de 1,5m a 2m, adaptando-se bem a vasos. Por isso, funcionam em sacadas ou até mesmo em livings. Há plantas de porte especialmente robusto, como o abacateiro e a mangueira, que não se adequam a espaços menores. 

Caramboleira é outra opção de planta frutífera que pode ser cultiva em vasos ou pequenos jardins caseiros. Foto: Julio Cesar Giuliani, Arquivo Pessoal 
– O ideal é montar um jardinzinho com plantas fáceis de cuidar – recomenda Daniela, ao ressaltar que em geral a manutenção das plantas é igual tanto para jardins externos quanto internos. 

Como outras plantas frutíferas, a jabuticabeira atinge cerca de 1,5m, não ultrapassando os 2m de altura. Foto: Julio Cesar Giuliani, Arquivo Pessoal
Mas é claro que monitorar o crescimento de galhos e raízes em um vaso é diferente de um canteiro com espaço ilimitado. Como um animal de estimação, plantar requer atenção. 
Confira abaixo um guia de perguntas e respostas sobre as instruções e os cuidados para cultivar frutíferas em casa ou apartamentos: 
Como escolher o vaso ideal?Os vasos de cerâmica e de cimento são mais porosos e por isso têm uma boa drenagem do excesso de água. Para apartamento, sacada ou terraço, o mais indicado, porém, são os de plásticos que, além de mais leves e por isso mais práticos, exigem menos regas do que os anteriores justamente por serem menos porosos e perderem menos água. 
O que cuidar ao comprar uma muda?Observar se as flores e as raízes estão saudáveis e se não apresentam qualquer tipo de alteração, o que pode indicar presença de pragas. Ao levar uma muda doente para a casa corre-se o risco de espalhar o problema para outros plantas. Segundo Giuliani, comprar mudas de ambulantes é assumir o risco de adquirir uma planta doente e por isso é tão importante conhecer o florista e a floricultura. 
Quais as frutíferas ideias para quem não tem tempo disponível?Pitangueira, jabuticabeira e algumas espécies de citros são mais fáceis de cuidar porque não são tão vigorosas no seu crescimentos, exigindo menos poda e menos poda de raiz. Para quem quer evitar o cuidado inicial de uma muda, também pode optar por comprar uma planta já adulta, que vai exigir apenas a manutenção. 
Quando devo podar minhas plantas frutíferas?Segundo Giuliani, ter uma planta frutífera em casa significa necessariamente trabalhar com poda. Segundo ele, a principal delas é a deformação, que se realiza nos dois três primeiros anos de vida da planta e é quando se consegue definir o tamanho da árvore. Independente do tamanho, ela produzirá frutos da mesma forma, mas é claro que uma planta no jardim sempre vai produzir mais frutos do que uma plantada no vaso explica. 
O que é e como funciona a poda de raiz?Procedimento realizado, em média, de três a cinco anos, dependendo do tamanho da planta e do vaso, de retirar a planta do vaso, cortar as raízes e devolver a muda para o vaso com nova terra e nova adubação. Segundo Giuliani, a planta dá sinais de quando o vaso está pequeno para as raízes e é importante ficar atento nestes sintomas: - A raiz aparece na parte de cima do vaso ou começa a sair pelo buraco do fundo. Além disso, folhas amareladas ou queda e ausência de flor e fruto também indicam que a planta está fraca e com deficiência de nutrientes. São sinais de que a planta está sofrendo. Mas, claro, algumas espécies precisam de mais e outra de menos - exemplifica. 
Quando sei que a planta precisa ser regada?Depende da espécie e de como está o tempo (se o tempo está seco ou se está chovendo demais). Segundo Giuliani, o melhor método, porém, é colocar o dedo no vaso e sentir se a terra está molhada. Se estiver úmida, o vaso estará molhada abaixo e significa que ainda há água suficiente. Caso contrário, é sinal de que é recomendável aguar. 
Insetos são sempre prejudiciais para as minhas plantas?Não. Porém, quanto mais fortes e saudáveis (adubação e irrigação adequadas) estiverem as plantas, menos suscetíveis a pragas elas vão ficar. 
fonte http://wh3.com.br/noticia/86858/especies-de-frutiferas-se-desenvolvem-em-vasos-colorindo-sacadas-e-jardins.html