Mostrando postagens com marcador arvores. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador arvores. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

EMBRAPA ÁRVORES URBANAS



Por que manter árvores na área urbana? As cidades dependem fortemente do meio rural para atender às suas necessidades de água, de alimento, de fibras e de outros produtos essenciais à vida e ao bem-estar. O impacto ambiental das cidades sobre o ambiente pode ser avaliado por uma medida chamada de “pegada ecológica”. Essa pegada, ou biocapacidade, corresponde à área de terra produtiva e de ecossistemas aquáticos necessários para produzir os recursos utilizados e absorver os resíduos produzidos por determinada população com padrão de vida específico, onde quer que essa área esteja localizada (PNUMA, 2004). Em 1995, o ecologista Herbert Girardet estimou que a pegada ecológica da cidade de Londres era 125 vezes maior do que a área ocupada por ela. 

A estimativa do ano 2000 é de que a pegada ecológica dessa metrópole seja equivalente a 49 milhões de hectares, o que representa 42 vezes sua biocapacidade e 293 vezes sua área geográfica, o que grosseiramente equivale ao dobro da área da Grã-Bretanha. Com a população de 7,4 milhões de pessoas, esse cálculo representa 6,63 ha por habitante urbano. Com base na capacidade da Terra de 2,18 ha por habitante, em média, pode-se estimar que seriam necessários três planetas idênticos à Terra para manter o atual estilo de vida dos londrinos (LSDC, 2008). A cidade de Vancouver, no Canadá, consome a produção de uma área 174 vezes maior do que aquela referente à sua área política. A pegada ambiental urbana relativamente desproporcional é aceitável até certo ponto, porque a concentração de populações nas cidades reduz a pressão sobre a terra, possibilita economias de escala e facilita a proximidade da infra-estrutura e dos serviços (PNUMA, 2004). 

As cidades são fruto do engenho humano, mas muitas vezes são inóspitas. Elas são consideradas por urbanistas como ecossistemas. São sistemas imaturos, se comparados aos sistemas naturais, pois estão em rápido crescimento e são ineficientes no uso de recursos, tais como água e energia (HAUGHTON e HUNTER, 1994 citado por BOLUND e HUNHAMMAR, 1999). Nas cidades há produção e consumo de energia em grande escala; há importação e canalização de água, assim como incremento de importações e de exportações de outros materiais, com o acúmulo de enorme quantidade de dejetos e de lixo.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Corte de grama mata mudas de árvores!!!

O uso de  roçadeiras no corte de grama nas ruas e praças da cidade de porto alegre, tem causado danos no caule das mudas (como na foto abaixo) .Muitas morrem!!

Mas porque as mudas morrem?
O anelamento dos caules provoca interrupção do transporte no floema

 Apesar da colocação de tubos de PVC na proteção das mudas ser uma solução inteligente, as vezes eles desaparecem. Tenho cortado PETs e colocados nas mudas por  onde ando, isso salva algumas árvores. 
Rua Dona Paulina / muda seca por corte de grama


aaaaaaDesde o século XVII, já se tinha evidências experimentais de que o floema transporta substâncias importantes para o crescimento das plantas. Uma dessas evidências foi apontada por Marcelo Malpighi (1686), o qual chamou atenção para o intumescimento resultante do anelamento de troncos e galhos (Fig. 1).
Floema
FIGURA 1. Anel de Malpighi.
O intumescimento da região logo acima do anel evidencia que substâncias são transportadas pelo floema. Se o anelamento for realizado no caule principal, a falta de suprimentos provocará a morte das raízes e posteriormente do vegetal como um todo.
O floema é, portanto, a ponte que permite a passagem de suprimentos da parte aérea (produtos da fotossíntese) para as raízes. Esses suprimentos permitem que as raízes continuem exportando água e sais minerais para a parte aérea.
O intumescimento sugere que substâncias que antes eram transportadas para a região basal do vegetal passam a acumular devido à interrupção do transporte.
Outra evidência é a constatação de que plantas que sofrem anelamento do tronco principal morrem. A explicação para essa letalidade é que a falta de suprimentos vindos da parte aérea (produtos da fotossíntese) provoca a morte das raízes. Posteriormente, a parte aérea também morre, pois fica sem água e sais minerais derivados do sistema radicular.
O floema nada mais é do que a parte interna da casca das plantas com crescimento secundário (Fig. 2). Nas plantas com crescimento primário, o floema também ocupa a porção externa dos caules, exceção sendo feita para as gramíneas, cujos vasos de floema e xilema estão distribuídos em vários feixes dispersos no córtex. Contudo, em cada feixe, o floema também ocupa a porção mais externa.
Floema
FIGURA 2. Secção transversal de caules mostrando o crescimento primário e secundário.
O floema e o xilema primários são formados diretamente através da diferenciação do meristema apical. Floema e xilema secundário são formados pelo câmbio, o qual diferencia ao mesmo tempo células de floema para fora (centrifugamente) e células de xilema para dentro (centrípetamente).
Como conseqüência, o floema fica sempre na porção externa de plantas com crescimento secundário e o floema primário fica mais externo que o floema secundário. Desse modo, ao removermos os tecidos externos de um caule (casca), o floema será eliminado, mas o xilema não.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Viver em cidades arborizadas beneficia o cérebro

Imbuia: planta, provedora de sombra, foi incluída na lista de espécies ameaçadas no Brasil | Foto: Zig Koch/Divulgação/CR

Sólidas e serenas, vivas e vibrantes. As árvores produzem nas pessoas um efeito calmante e positivo. Mas viver perto desses gigantes verdes gera impacto muito concreto na saúde, especialmente nos habitantes das cidades, segundo novo estudo, divulgado pela BBC Mundo. E as consequências vão desde mudar a qualidade e a temperatura do ar a influir no funcionamento do cérebro.
O estudo destacou três efeitos saudáveis no corpo humanos ao se viver perto das árvores. O primeiro deles é a redução da matéria particulada, um dos piores tipos de contaminação.
Uma árvore reduz a chamada matéria particulada ao seu redor de 7% e 24%, segundo um estudo publicado recentemente pela The Nature Conservancy (TNC), organização não-governamental que trabalha em escala global para a conservação da biodiversidade. Sediada nos Estados Unidos, tem atuação em 69 países. A investigação avaliou o impacto das árvores em 245 cidades ao redor do mundo.
O contaminante material particulado pode ser classificado em dois tipos. O mais grosso tem 10 ou menos micrômetros (um micrômetro é a milésima parte de um milímetro) de diâmetro, ou PM 10, e resulta do pó da construção e das ruas, entre outras fontes. Mas o tipo mais prejudicial de material particulado é chamado PM 2,5. Ele tem diâmetro de 2,5 ou menos micrômetros e resulta da queima de combustíveis fósseis e madeira, entre outras fontes.
Essas partículas finas em suspensão podem penetrar profundamente nos pulmões e estima-se que causem 3,2 milhões de mortes por ano mundialmente, segundo o estudo. O material PM 2,5 está associado a um risco maior de acidentes vasculares cerebrais, problemas cardíacos e enfermidades respiratórias como a asma.
Trata-se de um problema verdadeiramente global. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou, neste ano, que cerca de 90% da população ao redor do planeta, que vivia em centros urbanos em 2014, foi exposta a níveis de material particulado que excederam as recomendações da organização.
O estudo publicado pela TNC destaca que, em ruas com muito tráfego, as árvores devem ser plantadas de maneira espaçada, para impedir que as copas reduzam a circulação de ar.
Graus - O segundo grande efeito é a redução da temperatura em até 2 graus centígrados. O impacto das árvores na temperatura é crucial, dado que as ondas de calor matam cerca de 12 mil pessoas por ano e dificultam a vida de milhões. “A mudança climática fará com que o impacto dessas ondas de calor nas cidades seja ainda mais severo”, afirma o documento.
A OMS estima que as mortes anuais por ondas de calor nas cidades podem chegar a 260 mil pessoas (leia-se 2015), a menos que os centros urbanos tomem medidas para se adaptar às novas condições.
“Muitos estudos científicos demonstraram que a sombra das árvores, além da transpiração durante a fotossíntese, contribuem para reduzir a temperatura do ar e consequentemente o consumo de eletricidade para ar condicionado”, afirma a investigação da organização não-governamental.
Espírito - O terceiro efeito positivo é o bem-estar psicológico. “Não posso cuidar da minha saúde e do meu espírito a menos que passe ao menos quatro horas por dia na floresta, totalmente livre de compromissos mundanos”, escreveu no século XIX o americano Henry David Thoreau em seu livro clássico Walden, que relata sua experiência de viver dois anos em uma cabana construída por ele mesmo às margens do lago do mesmo nome, em Massachusetts.
Um estudo já conhecido, liderado pelo psicólogo ambiental Roger Ulrich na década de 1980, comparou pacientes de um hospital da Pensilvânia que haviam sido operados da vesícula. Aqueles que estavam em quartos com vista para árvores se recuperaram mais rapidamente que aqueles que estavam em quartos com janelas voltadas para edifícios.
Cérebro - E um estudo recente de Gregory Bratman, da Universidade Stanford, na Califórnia, mediu o impacto no cérebro de caminhar durante 90 minutos na natureza. Um grupo que caminhou em meio a árvores foi comparado com outro que andou em uma rua com muito tráfego. As pessoas que andaram na rua tiveram um aumento da atividade de ‘ruminar’ criticamente sobre si mesmo ou sobre eventos do passado - padrão negativo de pensamento vinculado à depressão.
Aqueles que caminharam entre as árvores tiveram menos tendência de ruminar pensamentos. O estudo também incluiu análise por ressonância magnética do cérebro dos participantes e constatou que os que caminharam na natureza mostraram uma atividade menor na região do cérebro associada à autocrítica e ao isolamento social comum de quem ‘rumina em excesso’.
A importância das árvores nas cidades não pode ser subestimada. Ainda mais levando em conta que atualmente 54% da população mundial é urbana e que essa porcentagem chegará a 66% em 2050, conforme a Organização das Nações Unidas (ONU). “Em muitas cidades o departamento de saúde está de um lado e as árvores do outro”, observa Rob Mc Donald, um dos autores do estudo publicado pela TNC.
“Uma das metas do nosso estudo é recordar às cidades que esses dois departamentos devem colaborar. “Se isso acontecer, minha esperança é que veremos um renascimento das plantações de árvores em centros urbanos”, conclui Mc Donald.
Redação Jornal Correio Riograndense

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

ILHAS DE CALOR AMENIZADAS PELAS ÁREAS VERDES.

Entenda como as árvores ajudam a combater as ilhas de calor nas cidades

As ilhas de calor acontecem devido à falta de áreas verdes, ao excesso de construções, asfalto e poluição extrema.
17 de outubro de 2016 • Atualizado às 11 : 00















Ter uma ou mais árvores perto de casa é um jeito simples de obter muitos benefícios pessoais e ambientais. | Foto: iStock by Getty Images
Ilha de calor é um termo usado para se referir ao aumento da temperatura em áreas urbanas. Em geral, isso acontece devido à falta de áreas verdes, ao excesso de construções, asfalto e poluição extrema. A forma mais eficaz de combater este efeito é com o plantio de árvores.
A primeira maneira de uma árvore contribuir para o combate às ilhas de calor é o fato de fornecerem sombras. De acordo com a Agência de Proteção Ambiental dos EUA, uma área sombreada pode ser até sete graus mais fresca do que áreas expostas ao sol.
Amenizando o calor, ameniza-se também a quantidade de energia gasta para a refrigeração de ambientes, o que, consequentemente, também diminui a emissão de gases de efeito estufa na atmosfera.
As árvores ainda realizam naturalmente um processo de evapotranspiração, que é a transpiração das plantas. Isso acontece de maneira muito semelhante aos humanos. Durante este processo, as árvores liberam vapor de água na atmosfera, ajudando a refrescar naturalmente o ambiente.
O terceiro ponto, e de extrema importância, é a influência das plantas na manutenção do ar. As árvores têm poder para limpar os poluentes atmosféricos. Elas conseguem absorver óxido e dióxido de nitrogênio, dióxido sulfúrico e outros poluentes que costumam elevar a temperatura local. Enquanto isso, ela aspira oxigênio, gás totalmente necessário para a nossa própria existência.
Outro benefício oferecido pelas árvores é a purificação da água. Ao envolver o solo, as plantas funcionam como um filtro natural e retentor de águas. Quanto mais árvores presentes nas cidades, melhor é o escoamento de água durante as tempestades e mais limpo o recurso será.
Ter uma ou mais árvores perto de casa é um jeito simples de obter muitos benefícios pessoais e ambientais.
Redação CicloVivo

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Os guapuruvus e paineiras estão morrendo na cidade de São Paulo

Extraído do blog: Árvores de São Paulo

paineira morta em Sao Paulo 2- arvores de sao paulo - foto de Ricardo Cardim - direitos reservados
Paineira-rosa que morreu em pouco meses na Avenida Dr. Gastão Vidigal, Zona Oeste. Devia ter cerca de 50 anos de idade.
Nos últimos meses se tornou comum observar grandes árvores secas e com as amplas copas em decomposição na cidade de São Paulo. Trata-se principalmente de duas espécies, o guapuruvu (Schizolobium parahyba), nativo na Mata Atlântica Ombrófila Densa, da nossa Serra do Mar próxima ao litoral e a paineira-rosa (Ceiba speciosa), típica na Mata Atlântica Semidecidual do interior do Estado.
As duas espécies parecem acometidas de um mesmo mal, uma doença que rapidamente seca toda a planta. Pelos furos facilmente visíveis na casca das paineiras, julgo que possa ser um besouro associado a um fungo os responsáveis pelo estrago. A situação para as paineiras não é de agora, há alguns anos trás aconteceu fato semelhante na Zona Oeste em grande parte dos exemplares adultos.
guapuruvu morto em Sao Paulo - arvores de sao paulo - foto de Ricardo Cardim - direitos reservados
Guapuruvus adultos mortos recentemente na alça de acesso da Ponte Cidade Universitária.
Já o guapuruvu apresenta problema semelhante nos seus locais de origem, como Ilhabela, que apresentou no ano passado intensa mortalidade da espécie em meio a floresta, a ponto de ser divulgada uma potencial extinção regional da árvores, tão simbólica para a cultura local tradicional.
E o que está sendo feito a respeito? Até onde sei, infelizmente nada de muito eficaz, e essas “arvores-monumentos” de nossa metrópole seguem desaparecendo. Fatos assim mostram a importância de se ter diversidade de espécies arbóreas na malha urbana, para que não ocorram perdas drásticas da cobertura vegetal, como aconteceu com o ficus exótico em 2010.
guapuruvu morto em Sao Paulo - tronco - arvores de sao paulo - foto de Ricardo Cardim - direitos reservados
Tronco do guapuruvu já sem casca, em estado de decomposição. Vai cair…
paineira morta em Sao Paulo - arvores de sao paulo - foto de Ricardo Cardim - direitos reservados
Outra paineira…
Ricardo Cardim

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Aposentado planta 16 mil árvores em áreas abandonadas na zona leste de SP

Extraído de: https://razoesparaacreditar.com/cultivar/aposentado-planta-16-mil-arvores-em-areas-abandonadas-na-zona-leste-de-sp/

Por Vicente Carvalho | 
Caminhando pela parte mais fechada da vegetação até o local onde as mudas são recém-plantadas, o administrador aposentado Hélio da Silva, 62, sabe dizer a idade de quase todas as árvores do parque linear Tiquatira, na Penha, zona leste. É ele quem vem plantando exemplares na região há dez anos.
273634-970x600-1
A ideia era colocar 5.000 unidades; hoje, na contagem do próprio Hélio, são 16.591 árvores de 170 espécies diferentes, a maioria nativa da mata atlântica.
“Algumas pessoas acham que sou funcionário da prefeitura”, afirma ele, que teve de conseguir autorização da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente antes de plantar e não ganha nada pelo trabalho. Por um tempo, diz que gastou R$ 2.000 por mês com mudas e adubo.
PROBLEMAS
Além de plantar, é preciso cuidar da herança que ele diz deixar para os três filhos, os netos e a cidade. Assim, agora no outono, que não é época de plantio, ele poda as mudas. “São Paulo me deu tudo. Estou só retribuindo.”
Ele conta que, quando começou, achavam que era louco. Sua mulher, Leda Vitoriano, era uma dessas pessoas. “Eu dizia: ‘Você faz tudo e quem vai levar a fama são os vereadores'”, conta ela, que acha que o casal comprou brigas desnecessárias.
A principal foi com comerciantes da região, já que a vegetação começou a tapar a visão das lojas da avenida Carvalho Pinto. As primeiras 500 mudas foram destruídas. “De cada dez que eu plantava, arrancavam oito.”
Após quatro anos e 5.000 árvores, a prefeitura transformou, em 2007, o Tiquatira no primeiro parque linear (ao longo de rios) da cidade e lá instalou banheiros e equipamentos de lazer.
Há 12 anos no ponto, o vendedor de coco Antônio Ferreira, 52, testemunhou o processo. “As pessoas começaram a caminhar mais aqui, o movimento dobrou.”
Mas Hélio também ouve piadinhas. “Me perguntam para quem estou plantando. Digo: ‘Pro seu neto, porque logo, logo você já era!’.”
273624-970x600-1273625-970x600-1273626-400x600-1273627-970x600-1273628-400x600-1273630-970x600-1273633-970x600-1
Matéria original da Folha de S. Paulo.

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Escolha da melhor espécie para áreas urbanas deve levar em conta algumas particularidades


Se você quer plantar uma árvore na frente de casa ou mesmo no quintal, precisa levar em conta alguns fatores práticos, para que a estrutura de sua residência não venha a ser prejudicada.


Dentre os principais, estão:
Tipo de raiz – plantas de raízes superficiais e muito vigorosas são péssimas escolhas para o plantio em calçadas. As raízes podem arrebentar o concreto, estourar tubulações e, até mesmo, danificar a estrutura da casa. Evite ao máximo o plantio de espécies desse tipo, como o fícus ou o flamboyant.
Resistência dos galhos – muitas vezes, somos tentados a plantar árvores de crescimento rápido, mas de galhos frágeis, que podem ser quebrados facilmente pelos ventos e chuvas, causando acidentes.
Queda de folhas – se você não quer varrer sua calçada muitas vezes, dê preferência a árvores de folhas mais largas, que sejam de fácil retirada.
Sombreamento – se o seu desejo é um bom sombreamento da rua, utilize espécies com copa densa e ampla. Uma boa opção é o chapéu-de-sol.
Obstrução de passagem – procure não utilizar espécies que possuam galhos muito baixos, ou que sejam arbustivas, pois elas normalmente não produzem sombreamento, além de atrapalharem a passagem de pedestres nas calçadas. Espécies como a espirradeira, além de inadequadas, são extremamente tóxicas. 
Clima da região – procure se informar sobre a capacidade de adaptação da planta ao local de plantio.
Tipo de frutos - muitas pessoas já tiveram a infelicidade de ter o vidro do carro quebrado por uma manga que caiu de um pé plantado na calçada. Além disso, há um perigo ainda maior de cair um fruto pesado e duro sobre alguém, o que pode até matar. Evite espécies como a sapucaia no plantio em calçadas.
Toxidez- algumas plantas são muito tóxicas, além de atraentes para as crianças. Tome cuidado ao utilizar plantas que são tóxicas, já que seus efeitos podem ser desde queimaduras leves, até a cegueira ou morte. 

Com informações retiradas de: http://www.cultivando.com.br/arborizacao_de_ruas_o_que_plantar.html

sábado, 11 de janeiro de 2014

Espécies de árvores de Porto Alegre

extremosa

Espécies mais frequentes
Nas ruas de Porto Alegre, são encontradas 173 espécies arbóreas. Entre elas,㺒 espécies são predominantes, totalizando 83,53% da população arbórea viária.

As dez espécies mais freqüentes são a extremosa, com incidência de 19,50% o ligustro, com 18,64% o jacarandá, com 10,75% o cinamomo, com 6,57% o braquiquito, com 4,12% o ipê roxo, com 3,10% o mimo-de-vênus, com 2,84% o ipê amarelo, com 2,56% a tipuana, com 1,67% e a sibipiruna, com 1,58%.

Clique aqui para ver as fotos das espécies de árvores encontradas em Porto Alegre.

ligustro
Histórico
A arborização de vias públicas da cidade se iniciou na metade do século passado. Observando literatura e fotografias antigas, no entanto, há indícios de que os plantios se intensificaram a partir da década de 30.

Os bairros mais antigos são identificados pelo predomínio de uma espécie arbórea como, por exemplo, o Ligustrum japonicum (ligustro) no Centro Histórico e na Cidade Baixa a Acaranda mimosiifolia (jacarandá) no Bom Fim, Floresta e Rio Branco Melia azedarach (cinamomo) em Petrópolis, Mont Serrat e Higienópolis Brachychyton populneum (perna-de-moça) no Moinho de Ventos e Platanus acerifolia (plátano) no Boa Vista.        

Nos últimos anos, é visível a presença em quase todos os bairros da Lagerstroemia indica (extremosa), espécie originária da Índia que nos meses de fevereiro, março e abril produz vistosas flores cor-de-rosa, liláses ou brancas. Espécies como a Tipuana tipu (tipuana) têm ocorrência marcante no bairro Iapi, juntamente com o cinamomo e o jacarandá.

fonte: PMPA

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Acidente no Parque, mata uma pessoa e deixa duas feridas!

Árvores caem todos os dias. Mas em áreas de grande circulação de pessoas torna-se um perigo de vida; ainda mais exemplares gigantes de eucalipto.Há anos discuto o planejamento no plantio de árvores em porto alegre, isto quer dizer, plantio de espécies de porte adequado as ruas e parques, remoção de grandes exemplares, isso tudo com divulgação para a comunidade e contando com sua ajuda.

No entanto, hoje em porto alegre, quando poda-se ou corta-se uma espécie vegetal, o galho cai no chão, a prefeitura já está ali para notificar. Enquanto se você fizer o pedido de vistoria, espera meses por um técnico da prefeitura.
Quantas árvores já cairam nesta cidade e a prefeitura já tinha sido informada. Até no meu trabalho já aconteceu isso, olhem só!!
Falta bom senso e planejamento nesta cidade!



Engenheiros agrônomos analisam estado de árvores da Redenção, em Porto Alegre

De 20 vegetais observados, dois apresentam danos irreversíveis e 16 precisam ser monitorados

Engenheiros agrônomos analisam estado de árvores da Redenção, em Porto Alegre Fernando Gomes/Agencia RBS
Engenheiros Lucianita da Silva e Paulo Zanella foram à Redenção na tarde de domingo Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS
A pedido da Zero Hora, a engenheira agrônoma Lucianita da Silva, especialista em fitossanidade, e o engenheiro agrônomo Paulo Zanella acompanharam a reportagem até a Redenção, em Porto Alegre, na tarde deste domingo. A ida ao parque foi motivada pela morte do juiz Leonir Heinen, 64 anos, atingido pela queda de um eucalipto de 25 metros, que feriu outras duas pessoas. De 20 árvores observadas, duas apresentavam danos irreversíveis — uma delas, um cipreste, está escorada por risco de queda —, e 16 precisam ser monitoradas periodicamente em razão da idade ou de sintomas como ramos secundários mortos, presença de cupins ou brocas (um tipo de inseto) ou erva-de-passarinho (planta parasita).
Leia mais:> Após morte de juiz, empresa vai analisar situação dos eucaliptos em Porto Alegre
> Vítima da queda de árvore era juiz de 64 anos
> Moisés Mendes: "O eucalipto, Joaquim e as escolhas"
Lucianita explica que uma das formas de monitorar a saúde das plantas é retirar galhos mortos e monitorar a brotação de novos ramos — a repetição de sintomas pode indicar que a planta está doente. Do universo analisado, dois exemplares que também precisam de acompanhamento periódico apresentam sinais de que o monitoramento já é feito. Já uma palmeira aparentemente sem problemas foi alvo de vandalismo com uso de fogo.
— Algumas dessas árvores precisam de podas de equilíbrio, para que sejam retirados galhos que deixam a planta mais pesada para um lado. Outras precisam de podas de limpeza, cortando ramos mortos. As pessoas muitas vezes consideram esse trabalho uma agressão. É preciso que todos entendam que podas técnicas são necessárias — comenta a engenheira.
Para o secretário de Meio Ambiente de Porto Alegre, Claudio Dilda, não há motivos para a população entrar em pânico. Ele garante que as árvores da Capital passam por monitoramento constante e considera o acidente de sábado uma fatalidade. Perto de onde o eucalipto despencou, há outros 18 exemplares da mesma espécie e com mais de 50 anos, segundo Dilda. Ao contrário do exemplar que caiu, parte deles traz danos aparentes em razão da presença de insetos ou de plantas parasitas.
O ultrassom, acredita o secretário, ajudaria a detectar se um exemplar aparentemente saudável está oco em razão da ação de insetos. Os exames devem começar pelos locais de maior circulação, como parques, mas nem todos os exemplares serão avaliados. A análise de galhos mortos em laboratório também poderia ajudar a detectar a razão dos danos. A Smam, porém, não realiza este tipo de procedimento:
— O monitoramento é feito pelos servidores. É uma análise mais visual e por detecção. Não há uma prática com esse nível de sofisticação (análise em laboratório).
Hoje, a Smam conta com 30 biólogos, agrônomos e engenheiros florestais que monitoram a situação de cerca de 1,2 milhão de árvores. Em parques como a Redenção, que tem mais de 10 mil exemplares, há equipes fixas. A população também ajuda a identificar problemas. Para Paulo Brack, biólogo e professor do departamento de Botânica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), o recomendável seria retirar exemplares de eucaliptos dos locais de grande circulação.
árvore que caiu e matou uma pessoa
— Muitos eucaliptos da Redenção estão crivados com erva-de-passarinho (planta parasita). Os galhos ficam pesados. E grande parte dos exemplares do parque está sob estresse, em um solo pisoteado, compactado, sem adubação — avalia.
Vinte exemplares observados
A pedido de Zero Hora, a engenheira agrônoma Lucianita da Silva, especialista em fitossanidade, e o engenheiro agrônomo Paulo Zanella, donos de uma empresa de consultoria na área, observaram 20 exemplares de árvores da Redenção, a maioria eucaliptos que estavam próximos ao local do acidente de sábado. Árvores no caminho entre o cachorródromo e o arco também foram analisados. Confira:
Eucalipto (13)7 apresentam ramos mortos e devem entrar em programa de limpeza. Com isso, será possível monitorar se novos ramos com problemas irão nascer

1 apresenta erva-de-passarinho, uma planta parasita, no tronco e precisa limpeza

1 apresenta parte do tronco morto, possivelmente em razão da ação de insetos. Não é possível identificar a extensão do dano

1 apresenta danos que podem ter sido causados por insetos, como cupins.

1 apresenta danos por broca (um inseto) e pode ser tratada

2 necessitam de poda de equilíbrio

1 tem sinais de que sofreu ferimentos e precisa de investigação para se descobrir a razão dos danos

1 pode receber escora, pois está pendendo a um dos lados

1 não apresenta danos, mas precisa de monitoramento
Jacarandá (3)2 têm galhos grandes e poderiam receber escoras, mesmo sendo saudáveis

1 tem recomendação de avaliação técnica para verificar a necessidade de instalar escoras nos galhos, apesar de saudável
Palmeira (1)1 sinais de vandalismo (fogo)
Cipreste (1)

1 tem danos visíveis e risco de queda. Está escorado e não é recuperável
Pitangueira (1)

1 planta, nativa do Brasil, com provavelmente mais de 50 anos, não tem sintomas aparentes de danos
Não identificada (1)

1 planta morta, sem galhos. Os especialistas não conseguiram identificar a espécie. Aparentemente, não apresenta risco de queda, mas pode ser retirada