Mostrando postagens com marcador antioxidante. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador antioxidante. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 1 de junho de 2017

terça-feira, 30 de maio de 2017

Mirtilo, uma grande opção para os pequenos agricultores.


O mirtilo é nativo da América do Norte: Estados Unidos e Canadá, onde é denominado blueberry, também, onde se produz e consome 90% do mirtilo do mundo. No final da década passada uma série de estudos realizados por universidades norte americanas colocam essa fruta como a de maior poder antioxidante associado a isto uma série de propriedades nutracêuticas. A partir daí seu consumo como fruta fresca tem aumentado em todo o mundo. Esse cenário tem levado o mercado norte americano oferecer frutas frescas aos consumidores durante todo ano. Por ser uma fruta de curta vida de conservação a alternativa de ofertar ao mercado todo o ano é importar fruta do hemisfério sul. O Chile tem sido o principal produtor, com uma área superior a 2.000ha de cultivo, atingindo um volume de exportação de fruta fresca em torno de 6.000 toneladas. Mais recentemente, a Argentina e o Uruguai, também se inseriram como produtores e exportadores de mirtilo, com uma área em torno de 1.500ha e 500ha respectivamente, com plantios crescentes a cada ano. Nesses países predominam os plantios dos grupos highbush e southern highbush Na Europa o consumo de mirtilo tem crescido muito. O crescimento da produção é limitado pelo clima e pela escassa e cara mão de obra dos países europeus. Existe uma grande demanda pelo mirtilo e outras pequenas frutas por países europeus.


No Brasil, estima-se uma a área de cultivo de mirtilo ao redor de 100 ha, sendo 30 ha em Vacaria ( predominando highbush), 20 ha na região de Caxias do Sul (predominando rabitteye) e 10 ha na região de Pelotas (predominando rabitteye). O restante da área de cultivo está disperso em pequenos pomares em outros municípios do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais.



Comercialização

O mirtilo, nos últimos anos, tem ganhado as prateleiras dos supermercados nos mais diversos produtos industrializados, o que tem aumentado a demanda pela fruta congelada. Mas, a maior parte da produção é comercializada na forma de fruta “in natura”. O apelo nutricional e terapêutico (nutraceutico), destacando o mirtilo e as frutas vermelhas como alimentos funcionais, capaz de prevenir e controlar determinadas doenças, tem atraído as pessoas para o consumo dessas frutas. A fruta produzida para o mercado “in natura” e congelada no Brasil, tem como principal produtor o município de Vacaria. Essa produção tem sido exportada em pequenos volumes para países europeus. Sabe-se também, que existe a importação de determinados volumes, principalmente de fruta congelada para processamento industrial. Na região da Serra Gaúcha e Serra da Mantiqueira, nos estados de São Paulo e Minas Gerais existem pequenos cultivos para atender a demanda de fruta fresca nas regiões metropolitanas de Porto Alegre, São Paulo e Belo Horizonte.

Não se encontram muitos dados sobre a produção, consumo e comercialização de mirtilo no Brasil, nem mesmo sobre volumes importados e exportados. No entanto, percebe-se, que a oferta no Brasil parece ser menor que a demanda, e os preços são compensadores aos produtores. Na região de Vacaria e na Serra Gaúcha, pequenos produtores, recebem em torno de R$ 10,00 a R$15,00 pelo quilo da fruta fresca, podendo chegar a R$ 20,00/quilo, quando vendida sem intermediação.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Descubra 10 motivos para incluir a goji berry na sua dieta


 

Foto: Reprodução
Você certamente já deve ter ouvido falar na goji berry. É a sensação do momento nas dietas. É uma fruta que cresce em arbustos e tem origem no sul da Europa e da Ásia (principalmente China, Mongólia e nas montanhas do Himalaia).

A seguir, confira as dicas da nutricionista Bárbara Riboldi, da Clínica Nutrissoma.
Por que a goji berry faz tanto sucesso?
Ele se destaca por ter várias propriedades benéficas à saúde. É uma fruta rica em aminoácidos, vitaminas, minerais, ácidos graxos insaturados, antioxidantes e polissacarídeos. É um pouco calórica: uma colher de sopa tem 50 calorias.
Por que ela é considerada um superalimento?
É o nome que se dá aos alimentos que têm uma incrível variedade de benefícios à saúde, que vão muito além do seu valor nutritivo. Esses alimentos normalmente contém uma combinação de ácidos graxos essenciais, fitoquímicos, antioxidantes e aminoácidos essenciais.
A goji berry possui uma grande quantidade de nutrientes antioxidantes. Por isso, é considerada um superalimento. Nela encontramos 18 aminoácidos, elevadas concentrações de vitamina A (beta-caroteno), B1, B2, B6 e vitamina E. É a fruta com maior quantidade de vitamina C (tem muito mais do que a laranja, por exemplo), ricas em ferro, polissacarídeos e fitoquímicos, sendo os destaques a luteína e zeaxantina.

Foto: Divulgação
10 benefícios da goji berry
1 - Rica em polissacarídeos, que impedem a absorção de patógenos intestinais (imunidade)
2 - Rica em vitaminas do complexo B que auxiliam na constituição de células protetoras (imunidade)
3 - Rica em arginina e glutamina, que auxiliam na liberação do hormônio do crescimento (interessante para quem quer ganhar massa magra)
4 – Potente estimulante, auxilia no aumento no nível de energia e na capacidade de concentração
5 – Pela ação estimulante, também pode ajudar na redução da fadiga e do estresse
6 – Sua ação antioxidante promete benefícios na prevenção de doenças cardiovasculares e diabetes
7 – Rica em fitoquímicos (carotenoide, zeaxantina, luteína e antocianina) que atuam como substâncias anticancerígenas
8 – Os carotenoides são substâncias que previnem o envelhecimento da pele
9 – A zeaxantina e a luteína são substâncias que atuam na proteção dos olhos
10 – Por conter triptofano, um precursor de serotonina, seu consumo está associado ao bom-humor, alegria e satisfação
11 – Pela presença de beta-sisterol, que tem ação anti-inflamatória, ajuda a equilibrar os níveis de colesterol
A fruta ajuda a emagrecer?
Até o momento não foram realizados estudos que comprovem um efeito emagrecedor da goji berry. Ela tem potente ação estimulante, pode auxiliar no estímulo à prática de atividades físicas e, consequentemente, causar emagrecimento.
Como podemos encontrar o goji no mercado?
Há três formas de encontrá-la: na forma in natura (por ser importada, é bem raro de encontrar nos mercados), desidratada (em lojas e empórios especializados em produtos naturais) e na forma de suplementos, em cápsulas ou em pó (em farmácias de manipulação).
Qual a variação mais indicada para incluir na dieta?
A fruta desidratada não apresenta perda de nutrientes, além de ter poucas calorias e ser de fácil consumo durante o dia. Muitos estudos têm demonstrado que o efeito de consumir um suplemento com os princípios ativos benéficos das frutas e vegetais não trazem o mesmo benefício do que consumir a fruta em si. Nela, encontramos um pool de nutrientes e substâncias benéficas, algumas ainda desconhecidas.

Foto: Caco Konzen
Qual a quantidade diária recomendada?
Duas colheres de sopa ao dia ou 150 ml de seu suco. Ela pode ser incluída no lugar de outra fruta, preferencialmente pela manhã.
Podes dar dicas de como consumir?
Podemos misturá-la a outras frutas, assim como a iogurtes, cereais, saladas ou batidas e sucos. Seu sabor é levemente amargo. Se consumido com iogurte, pode ser mais saboroso. Evite adicionar açúcar.
Existe alguma contraindicação?
Alguns estudos nos Estados Unidos apontaram que o consumo excessivo de chás com goji berry tem ação inibitória da warfarina (medicação utilizada para evitar trombose). Seu consumo não é recomendado para quem faz uso dessa medicação.
Supõe-se que alguma substância da fruta interaja com o P450 – local no fígado onde muitos medicamentos são metabolizados. Seu consumo não é indicado para quem faz uso de medicações importantes para o controle glicêmico e de pressão, por exemplo. Recomenda-se o consumo distante do uso das medicações diárias.
Superdica da nutri
Para aqueles que buscam incluir a fruta na sua alimentação, minha dica é inclui-la pela manhã ou antes de ir para academia.
Experimente: um iogurte natural desnatado + uma colher de sopa de goji berry + 1 colher de sopa de mel + 1 colher de sopa de granola + uma colher de sopa de linhaça ou chia. Fica uma delícia!
RECEITAS
1) Mousse de goji berry
Ingredientes
½ xícara de chá de goji berry desidratada
1 pote de iogurte natural desnatado
1 caixinha de creme de leite light
1 envelope de gelatina sem sabor
½ xícara de chá de leite desnatado
5 colheres de sopa de adoçante em pó para forno e fogão
Modo de preparo
Coloque a goji berry de molho em água morna por 30 minutos. Dissolva a gelatina em 300 ml de água morna, e misture a goji berry hidratado e 3 colheres do adoçante. Reserve.
Bata os demais ingredientes na batedeira até atingir uma mistura homogênea.
Distribua as duas misturas em camadas, em taças, deixe na geladeira por 2 horas. Sirva gelado.

Foto: Stock.Xchng
2) Chá de goji berry
Ingredientes
100 ml de água filtrada
1 colher de folhas para chá vermelho
2 colheres de chá de goji berry desidratadas secas
Modo de preparo
Leve a água para ferver. Em uma xícara junte o chá com as Goji berries, acrescente a água fervendo e deixe repousar de 3 a 5 minutos. Coe e sirva quente.
3) Salada de goji berry
Ingredientes
2 maçãs picadas
3 colheres de sopa de amêndoas em lâminas ou nozes picadas
1 colher de sopa de sementes de girassol
3 colheres de sopa de goji berry desidratadas
½ pote de iogurte natural desnatado
Modo de preparo
Misturar todos os ingredientes e manter na geladeira até a hora de servir.

fonte: blog barra de cereal

sábado, 4 de março de 2017

SUCO DE ROMÃ PODE FREAR METÁSTASE DE CÂNCER DE PRÓSTATA





Componentes químicos do suco da romã também poderiam ser usados em outros tipos de câncer.

Pesquisadores da Universidade Riverside, da Califórnia, identificaram componentes no suco de romã que podem inibir os movimento de células cancerosas e a metástase do câncer de próstata.

A descoberta, diz Manuela Martins-Green, uma das pesquisadoras, pode ainda ter impacto no tratamento de outros tipos de câncer.

Quando o câncer de próstata reaparece no paciente depois de tratamentos como cirurgia e/ou radiação, geralmente o próximo passo é a supressão do hormônio masculino testosterona, um tratamento que inibe o crescimento das células cancerosas, pois elas precisam do hormônio para crescer.

Mas, com o tempo, o câncer desenvolve formas de resistir também a esse tratamento, se transforma em um câncer muito agressivo e sua metástase ataca a medula óssea, pulmões, nódulos linfáticos e geralmente resulta na morte do paciente.

O laboratório americano aplicou o suco de romã em células de câncer de próstata cultivadas em laboratório que já eram resistentes à testosterona - quanto mais resistente à testosterona uma célula cancerosa é, maior é a sua tendência à metástase.

Os pesquisadores então descobriram que as células tratadas com o suco de romã que não morreram com o tratamento mostraram uma maior adesão, o que significa que menos células se separavam, e também queda na movimentação dessas células.

Em seguida os pesquisadores identificaram os grupos ativos de ingrediente no suco de romã que tiveram impacto molecular na adesão das células e na migração de células cancerosas no câncer de próstata já em estado de metástase.

'Depois de identificá-los, agora podemos modificar os componentes inibidores do câncer no suco de romã para melhorar suas funções e fazer com que eles sejam mais eficazes na prevenção da metástase do câncer de próstata, levando a terapias com remédios mais eficazes', disse Manuela Martins-Green.

Outros tipos de câncer

A pesquisadora afirma que a descoberta pode ter impacto no tratamento de outros tipos de câncer.'Devido (ao fato de) os genes e proteínas envolvidas no movimento das células de câncer de próstata serem essencialmente os mesmos que os envolvidos no movimento de células em outros tipos de câncer, os mesmos componentes modificados do suco poderão ter um impacto muito mais amplo no tratamento do câncer', afirmou.

Manuela Martins-Green explicou ainda que uma proteína importante produzida na medula óssea leva as células cancerosas a se mover para a medula onde elas poderão formar novos tumores.
'Mostramos que o suco de romã inibe a função dessa proteína e, assim, esse suco tem o potencial de evitar a metástase das células do câncer de próstata para a medula', disse.

Os próximos planos da pesquisadora são fazer testes adicionais em um organismo vivo com câncer de próstata em em fase de metástase para determinar se os mesmos componentes que foram eficazes nas células cultivadas em laboratório poderão evitar a metástase sem efeitos colaterais.

Data Edição: 15/12/2010


PLANTE ROMÃ E FRUTIFERAS EM GERAL, SUA SAÚDE AGRADECE!
ALEXANDRE

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Antioxidantes fazem de nozes as frutas oleaginosas 'mais saudáveis', diz estudo

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2011/03/110328_saude_nozes_pesquisa_cc

Noz
Nozes são mais potentes do que a vitamina E na proteção do organismo
Uma pesquisa feita nos Estados Unidos revelou que, entre as frutas oleaginosas, são as nozes as mais recomendadas para uma dieta saudável por conter o mais alto nível e a melhor qualidade de antioxidantes – substâncias que ajudam a prevenir doenças.
Segundo o estudo, um punhado de nozes contém duas vezes mais antioxidantes que um punhado de castanhas, amêndoas, amendoins, pistaches, avelãs, castanhas-do-Pará, castanhas de caju, macadâmias ou nozes-pecã.
Além disso, os antioxidantes presentes nas nozes têm maior qualidade e potência do que os dos outros frutos secos analisados.
A pesquisa - conduzida por um cientista da Universidade de Scranton, na Pensilvânia (nordeste dos Estados Unidos) - também concluiu que os antioxidantes encontrados nas nozes são entre duas a 15 vezes mais poderosos do que os da vitamina E, também conhecida pelo seu benefício antioxidante.
O estudo foi divulgado em um encontro da Sociedade Química Americana, realizado na cidade de Anaheim, na Califórnia (oeste do país).
Nutritivos
Os antioxidantes impedem reações químicas que ocasionam mudanças na estrutura molecular das células do corpo.
Segundo o pesquisador Joe Vinson, que liderou o estudo, todas as frutas oleaginosas têm boas qualidades nutricionais. Elas contêm proteínas de alta qualidade, muitas vitaminas, minerais e fibras.
Pesquisas anteriores demonstraram que o consumo regular de pequenas quantidades de frutas oleaginosas pode reduzir o risco de doenças cardíacas, alguns tipos de câncer, diabetes tipo 2 e outros problemas de saúde.
Mas Vinson diz que as porções dessas frutas consumidas devem ser pequenas. Sete ao dia são o suficiente para obter os benefícios para a saúde descobertos nos estudos.
O pesquisador disse ainda que há outra vantagem em escolher as nozes como fonte de antioxidantes.
"O calor dos frutos torrados geralmente reduz a qualidade dos antioxidantes, mas as pessoas geralmente comem as nozes cruas. Por isso, elas são mais eficientes", explicou.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Conheça as frutas que preservam a lucidez por mais tempo!!

Por
 24.08.2010 as 22:16

 
Uma reunião nacional da Sociedade Americana de Química, em Boston (Massachussets, EUA), terminou concluindo que frutas vermelhas – tais como morango, framboesa e amora, que em inglês são identificadas por terminar com “Berry” – são úteis para desacelerar o processo de desgaste natural do cérebro, ou seja, retardam o envelhecimento de nosso sistema nervoso.
O motivo: alguns compostos químicos, presentes nestas frutas, limpam e reciclam proteínas tóxicas, que ocorrem naturalmente e são responsáveis pelo declínio gradativo das capacidades mentais e pela perda de memória. Tais compostos naturais são os polifenóis, que além destas frutas também podem ser encontrados (em quantidade um pouco menor) em legumes e nozes.

Os polifenóis têm um antioxidante e exercem efeito anti-inflamatório que pode proteger contra a degradação cerebral que vem com a chegada da “melhor idade”.
Os testes para comprovar essa tese foram especialmente preparados para serem apresentados na conferência em Boston. Apesar de um experimento como este não ser dos mais perigosos, foi inicialmente testado em ratos. Os cientistas passaram a alimentar os camundongos perto do final da vida (eles, assim como as ratazanas, vivem entre 2 e 3 anos), durante dois meses, com porções de morango, mirtilo (também chamado de uva-do-monte, é outra frutinha do grupo com propriedades quase miraculosas) ou amora. Os exames mostraram uma reversão do declínio relativo à idade nas funções nervosa e comportamental que envolvem o aprendizado e a memória nos ratos.
Os pesquisadores, no entanto, não têm dúvidas de que os mesmos efeitos são observados em humanos. Isso porque os nutrientes das frutas e os compostos tóxicos que elas limpam são os mesmos, entre ratos e humanos. A alimentação, assim, desempenha na sanidade mental dos velhinhos um papel mais importante do que imaginamos. [WebMD]

terça-feira, 17 de maio de 2016

Physalis PT - fisális combate a diabetes, o reumatismo crônico, doenças de pele, bexiga, rins e fígado.

Physalis_02
A physalis é uma fruta bem interessante: considerada exótica, é encontrada no mercado a preços elevados, mas, apesar disso, no Norte e Nordeste do nosso país ela é comum nos quintais e chamada por nomes bem brasileiros:camapum, joá-de-capote, saco-de-bode, bucho-de-rã, bate-testa e mata-fome.
Esta fruta é conhecida por purificar o sangue, fortalecer o sistema imunológico, aliviar dores de garganta e ajudar a diminuir as taxas de colesterol. A população nativa da Amazônia utiliza os frutos, folhas e raízes no combate à diabetes, reumatismo, doenças da pele, bexiga, rins e fígado.
 A planta tem sido estudada também por fornecer um poderoso instrumento para controlar o sistema de defesa do organismo, diminuindo a rejeição em transplantes e atacando alergias.
Pesquisadores da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) da Bahia identificaram substâncias com esse potencial na Physalis angulata e já solicitaram patente sobre o uso delas. Testadas por enquanto em camundongos, espera-se que as fisalinas (chamadas de B, F e G) tenham um efeito tão bom quanto o das substâncias usadas hoje para controlar o sistema imune, mas com menos efeitos colaterais, quando forem usadas em pacientes humanos.
Dicas de consumo: Consumir a fruta in natura, chá, molhos, compotas, doces e geleias. Suas folhas, frutos e raízes são utilizados na medicina popular da Amazônia para combater diabetes, reumatismo crônico, doenças de pele, da bexiga e do fígado. Porém, a cada novo estudo sobre a sua fruta, novos componentes de interesse funcional e nutracêutico aparecem.
Gostou? É só me seguir para receber diariamente dicas de nutrição e saúde.
Fonte: http://www.jardimdeflores.com.br/floresefolhas/A46physalis.htm








É rica em ácidos orgânicos (cítrico e málico), caroteno, alcalóides, saponinas, physalina, alto teor de vitaminas A, C, fósforo e ferro, além de flavonóides, alcalóides e fitoesteróides, alguns recém descobertos pela ciência.
A physalis é cicatrizante, purifica o sangue, diminui a albumina dos rins, fortifica os nervos ópticos, limpa as cataratas, alivia problemas de garganta. É indicada como coadjuvante no tratamento do carcinoma de próstata e colesterol elevado. 

Combate a diabetes, o reumatismo crônico, doenças de pele, bexiga, rins e fígado. Favorecem a dissolução dos cálculos de sais úricos e eliminação de areias através da ingesta de bagas frescas ou secas.

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Como Fazer Mudas e Cultivar o Goji Berry Desde a Semente

Aprenda a plantar desde a semente e cultivar em cada etapa do Goji Berry – a fruta que espanta a todos com suas propriedades como minerais, vitamina C, aminoácidos, betacaroteno e outras propriedade muito importante para nosso organismo. Vamos ao passo a passo e aprender a cultivar essa maravilha da natureza.

Preparando a Terra Para Plantar o Goji Berry:
Separe uma porção de terra e junte com o adubo orgânico. O mais fácil na maioria das regiões e que pode ser usado é o estrumes de gado, porém se você encontrar na sua região o esterco de coelho é o ideal pois a planta se dá muito bem com esse tipo de adubo.
goji frescoSeja o esterco de coelho ou o de gado misture bem com a terra preta de maneira que toda a mistura fique bem fofinha. Vá até uma loja de mercadorias tipo R$ 1,99 onde você encontrará uns vasos de plástico do tamanho semelhante de 5 ou 10 litros (prefira os maiores pois a raíz do Goji cresce bem) para receber a terra preparada. Com uma furadeira faça vários furos no fundo do vaso pois servirão para a água não empossar dentro do recipiente.
Com o vaso cheio da terra preparada deixe-a por 03 dias antes do plantio sempre aguando umas 03 vezes por dia para que o processo de fermentação provocada pelo esterco aconteça naturalmente. Não plante antes desse período para não danificar a semente, pois é nesse período que a terra e o esterco se integram mantendo a terra viva para que transmita ingredientes necessários para os bagos ou sementes do Goji Barry.
 
Preparando a Semente do Goji Berry:
Ao comprar o Goji Barry (fruta fresca) em casas de produtos naturais deixe uma porção dentro de um recipiente com água mineral passar da noite para o dia. No dia seguinte, pegue com uma colher uma unidade do Goji e com uma espátula corte-a ao meio com muito cuidado para não ferir as sementes dentro da fruta e também com o mesmo cuidado para não cortar a mão. Isso deve ser feito por pessoa adulta pois a espátula tem um corte muito fácil.
A semente pode ser extraída da fruta desidratada também(vou tentar assim). Quando a planta tiver com 02 anos você poderá usar também o método de estaca para plantar que é bem aceitável pela planta.
mudas de gojiVoltando ao vazo com a terra preparada, faça alguns furos com o dedo em espaços mais ou menos de 5 centímetros e coloque as sementes dentro fechando os buracos com o dedo mesmo e depois coloque mais uma fina camada da mesma terra que fora preparada com esterco.

Como aguar o Goji Berry:
Após terminar o processo de colocar as sementes, pegue um esborrifador tipo aquele que cabeleireiros usam e esborrifa água mineral por cima umedecendo a última camada de terra que foi colocada. Observe que o Goji Berry é uma planta do Tibete onde predomina o sol, por isso ela não gosta muito de água, porém mesmo sendo uma planta do sol mantenha fora do sol, pois somente o calor será suficiente para seus crescimento. A frequência para aguar a planta é a observação da terra do vazo. Quando ela estiver seca então poderá aguar novamente o que geralmente se dará de 3 em 3 dias.

Processo de cultivo do Goji Berry:
Veja bem, o vazo já plantado deverá estar em lugar onde a chuva nem o sol atinja, pois ela não gosta de água. Logo você verá o recipiente todo cheio de folhas e ao longo de três meses ela estará mais ou menos com 30 a 40 centímetros tamanho ideal para serem amarradas numa estaca de bambu. É bom colocar duas estacas sendo uma em cada lateral traçando-as com barbante para que a planta possa subir confortavelmente – faça isso quando ela já estiver com uns dois meses. Com 2 meses de idade o Goji poderá ser colocada ao sol gradativamente, ou seja, coloque ao sol na parte da manhã e retire na parte da tarde até perceber sua adaptação. Aos 5 meses ela já terá alguns galhos e já estarão prontas para serem transportadas para o chão. Aos 2 anos de idade ela começará a frutificar – boa sorte. Você poderá encontrar sementes e a fruta desidratada bem como em capsula no endereço lista.mercadolivre.com.br/goji-berry

terça-feira, 13 de maio de 2014

Goji Berry: Para que serve e como consumir

Goji-berryConheça Goji Berry a fruta do rejuvenescimento. A natureza está repleta de armas poderosas contra males e doenças e Goji Berry é a nova descoberta que colocaram os pesquisadores admirados. A fruta traz um sabor suavemente azedo o que já de início revela a presença de vitamina “C”. Mas não é só essa vitamina, pois na verdade a fruta Goji Berry se conduz como um recipiente poderosíssimo cheio de minerais, antioxidantes em quantidade bem superior às demais frutas e ainda esbanja vitaminas e aminoácidos.

A fruta Goji Berry surpreendeu demasiadamente pelo fato da dificuldade de encontrar no mundo vegetal algum elemento que tenha uma expressão tão grande em aminoácidos e no caso Goji Berry seu teor de aminoácidos essenciais superabunda chegando a ser completo.

Os vigilantes do peso podem ficar despreocupados ao consumi-la uma vez que ela é de baixa caloria podendo ser ingerida durante o dia a dia bastando apenas uma colher das de sopa por dia para receber toda sua oferenda de vitaminas, sais e aminoácidos. Vejamos o motivo pelo qual você deve consumir a fruta Goji Berry:

Antilipêmica: Quando a pessoa precisa baixar o colesterol e a dieta não é suficiente ele precisa de remédios que contenha “antilipêmica” e no caso da fruta Goji Berry por conter ácidos graxos consequentemente auxilia na redução do colesterol.

Antiinflamatória, antibacteriana e antifúngica: Quando o agente possui quantidades apropriadas de vitaminas do complexo B atuando juntamente com vitamina C os polifenóis se juntam no combate trazendo esses benefícios.

Fotoprotetora: Os malefícios que o sol do dia a dia nos traz são detidos pelo Goji Berry pela quantidade de betacaroteno que é o ingrediente indicado nestes casos.

Ação energética e Vascular: A energia que precisamos no dia a dia advém da vitamina C, e isso o Goji Berry tem em riqueza e ainda pelo alto teor de aminoácidos que elastificam os vasos sanguíneos reforçando-os agindo na melhora vascular.

Antioxidante e Anticancerígena: Os polifenóis em grande quantidade agregando-se com a antocianina e revesratrol formando o trio suficiente para proteger o corpo do envelhecimento precoce e é por isso que os tibetanos as chamam de “A fruta da longevi­dade”. Pelo seu poder de antioxidação dos polifenóis ela trabalha na prevenção contra o câncer.

Imunoestimulante: Para manter o organismo saudável e ativo em sua energia precisamos estar mais imune sendo tarefa dos complexos da vitamina B – e isso a fruta Goji Berry se mostra bem generosa.

Oftalmológica: Devido a fruta conter porções satisfatórias de luteína e zeaxantina que atuam fortemente na degeneração macular senil que causa de cegueira nos idosos.”
fruta-goji 

RECEITAS – Como Consumir Goji Berry
A fruta pode ser ingerida como suco sendo batida no liquidificador igual às outras, também pode ser consumida com iogurte ou pode ser comida como se come uma banana se você gosta do sabor azedinho suave. A fruta já pode ser encontrada no Brasil sem perda de seus nutrientes de forma desidratada, pois ela é oriunda dos países China, Tibete e Mongólia.

domingo, 1 de julho de 2012

PÊSSEGO, AMEIXA E NECTARINA AJUDAM CONTRA DIABETES E DOENÇAS CARDÍACAS


Compostos bioativos das frutas combatem chamada 'síndrome metabólica'.
Substâncias atuam em células dos tecidos conjuntivo, vascular e gorduroso.

Frutas com caroço como pêssego, ameixa e nectarina contêm compostos bioativos capazes de combater a chamada "síndrome metabólica", doença que altera as taxas de glicose, triglicérides, colesterol, pressão e peso, conclui um estudo feito na Universidade Texas A&M, nos EUA.
Os resultados serão apresentados à Sociedade Americana de Química em agosto, na Filadélfia.
Segundo o cientista de alimentos Luis Cisneros-Zevallos, do centro de pesquisas AgriLife da universidade, essas frutas apresentam compostos fenólicos, antioxidantes que agem contra inflamações, diabetes tipo 2 – relacionada à obesidade – e doenças cardiovasculares.
As principais substâncias encontradas são antocianinas, ácido clorogênico, derivados de quercetina e catequinas. Elas atuam em células dos tecidos conjuntivo, vascular e gorduroso, controlando diferentes expressões de genes e proteínas.
Cisneros-Zevallos acredita que essa é a primeira vez que compostos bioativos de frutos mostram potencial para trabalhar em diferentes frentes contra uma doença.
O pesquisador ressalta que, de acordo com as estatísticas, 30% da população americana está obesa ou com sobrepeso, e os casos aumentam a cada ano em números alarmantes.
Apesar de os hábitos de vida e a predisposição genética terem uma grande responsabilidade sobre a obesidade, a síndrome metabólica também pode causar o excesso de peso.
A equipe pretende continuar a estudar o papel de cada tipo de composto sobre os mecanismos moleculares e confirmar o trabalho em ratos.

Data Edição: 20/06/2012
Fonte: G1

ARTIGO ORIGINAL

Peaches, plums, nectarines give obesity, diabetes slim chance

Writer: Kathleen Phillips, 979-845-2872, ka-phillips@tamu.edu
Contact: Dr. Luis Cisneros-Zevallos, 979-845-3244, lcisnero@tamu.edu
COLLEGE STATION – Peaches, plums and nectarines have bioactive compounds that can potentially fight-off obesity-related diabetes and cardiovascular disease, according to new studies by Texas AgriLife Research.
The study, which will be presented at the American Chemical Society in Philadelphia next August, showed that the compounds in stone fruits could be a weapon against “metabolic syndrome,” in which obesity and inflammation lead to serious health issues, according to Dr. Luis Cisneros-Zevallos, AgriLife Research food scientist.
Stone fruit
Stone fruits, such as nectarine, have been shown to have many health benefits in studies at Texas AgriLife Research. (Texas AgriLife Research photo by Kathleen Phillips)
“In recent years obesity has become a major concern in society due to the health problems associated to it,” said Cisneros-Zevallos, who also is an associate professor at Texas A&M University. “In the U.S., statistics show that around 30 percent of the population is overweight or obese, and these cases are increasing every year in alarming numbers.”
While he acknowledged that lifestyle, genetic predisposition and diet play a major role in one’s tendency toward obesity, “the major concern about obesity is the associated disease known as metabolic syndrome.
“Our studies have shown that stone fruits – peaches, plums and nectarines – have bioactive compounds that can potentially fight the syndrome,” Cisneros-Zevallos said. “Our work indicates that phenolic compounds present in these fruits have anti-obesity, anti-inflammatory and anti-diabetic properties in different cell lines and may also reduce the oxidation of bad cholesterol LDL which is associated to cardiovascular disease.”
What is unique to these fruits, he said, is that their mixture of the bioactive compounds work simultaneously within the different components of the disease.
“Our work shows that the four major phenolic groups – anthocyanins, clorogenic acids, quercetin derivatives and catechins – work on different cells – fat cells, macrophages and vascular endothelial cells,” he explained. “They modulate different expressions of genes and proteins depending on the type of compound.
“However, at the same time, all of them are working simultaneously in different fronts against the components of the disease, including obesity, inflammation, diabetes and cardiovascular disease,” he explained.
Cisneros-Zevallos said this is believed to be the first time that “bioactive compounds of a fruit have been shown to potentially work in different fronts against a disease.”
“Each of these stone fruits contain similar phenolic groups but in differing proportions so all of them are a good source of health promoting compounds and may complement each other,” he said, adding that his team plans to continue studying the role of each type of compound on the molecular mechanisms and confirm the work with mice studies.
The studies on the health benefits of stone fruit are funded by the California Tree Fruit Agreement, The California Plum Board, the California Grape and Tree Fruit League and the Texas Department of Agriculture. The Cisneros-Zevallos lab team in this study included Freddy Ibanez, Paula Castillo, Paula Simons and Dr. Congmei Cao.



terça-feira, 5 de junho de 2012

Consumo regular de uva e soja previne hipertensão

AFP Jean-Louis Santini
Em Chicago
As uvas,  ricas em potássio e antioxidantes, podem ser armas para combater a pressão alta
  • As uvas, ricas em potássio e antioxidantes, podem ser armas para combater a pressão alta.
As uvas, ricas em potássio e antioxidantes, e a soja, em isoflavonas, podem ser armas eficazes para prevenir a hipertensão, importante fator de risco cardiovascular, segundo dois estudos publicados no último domingo (25) durante uma grande conferência de cardiologia nos Estados Unidos.
Os trabalhos foram apresentados na 61ª conferência anual da American College of Cardiology, reunida em Chicago (Illinois, norte), durante o fim de semana.
Com relação às uvas, este é o primeiro estudo controlado cientificamente a confirmar o efeito do consumo cotidiano desta fruta em baixar a pressão arterial de pessoas pré-hipertensivas.
O estudo levou 46 homens e mulheres a medir o consumo de uvas três vezes ao dia, comparando-o com o consumo de biscoitos e outros alimentos que não fossem frutas ou legumes.
Para a soja, os cientistas analisaram amostras de um estudo iniciado em 1985 para analisar o risco de doenças coronarianas nos jovens adultos americanos.
Esta pesquisa, financiada pelo Instituto Nacional de Saúde (NIH, na sigla em inglês) contou com 5.115 americanos brancos e negros de 18 a 30 anos, que os examinou em diferentes intervalos de tempo.
O estudo apresentado neste domingo se concentrou nos efeitos das isoflavonas que a soja contém em grande quantidade e baixam a pressão arterial.
As isoflavonas são substâncias próximas ao estrogênio, hormônio feminino que contribui para a produção de ácido nítrico, conhecido por dilatar os vasos sanguíneos e reduzir a pressão arterial.
As pessoas com pré-hipertensão têm pressão arterial sistólica entre 120 e 139 mm/Hg e diastólica entre 80 e 89 mm/Hg.
Um em cada três americanos adultos se ajusta a esta definição, segundo os Centros de Controle e Prevenção de Diabetes (CDC) dos Estados Unidos.
"Nosso estudo demonstra que se você pode optar entre comer uvas ou biscoito de chocolate, se sairá melhor se escolher as uvas, pelo menos servirá para reduzir a pressão arterial", declarou o principal autor do estudo, doutor Harold Bays, diretor do Centro de Pesquisas de Louiseville (Kentucky) sobre arteriosclerose e metabolismo.
Os resultados mostram de fato que as pessoas que consumiram uvas tiveram uma clara baixa de pressão sistólica na quarta, oitava e décima segunda semanas (de -4,8% a -7,2% ou de menos 6 a menos 10,2 mm/Mg).
O doutor Bays não identificou como as uvas agem na pressão arterial, mas lembrou que as frutas são muito ricas em potássio e antioxidantes como os polifenóis.
"As uvas são ricas em potássio, conhecido por baixar a pressão arterial", disse este médico, cuja pesquisa foi financiada por uma organização que incentiva o consumo desta fruta e é subvencionada por produtores californianos da mesma.
Ele destacou que é necessário fazer testes clínicos mais aprofundados para confirmar seus resultados.
No grupo de estudo sobre as isoflavonas, aqueles que consumiram mais quantidade desta substância diariamente (mais de 2,5 miligramas) tiveram uma pressão arterial sistólica claramente mais baixa (-5,5 mm/Mg, em média) do que os indivíduos que ingeriram menos de 0,33mg.
Basta tomar um copo de leite de soja, que contém 22 mg de isoflavonas, explicou Safiya Richardson, principal autora deste estudo e que está concluindo o doutorado em medicina da Universidade de Columbia (Nova York).
Esta pesquisa também demonstrou que os afroamericanos, grupo étnico com forte tendência à hipertensão, eram beneficiados pelos efeitos das isoflavonas, disse Richardson.
De acordo com a cientista, este estudo facilitaria os testes clínicos para provar cientificamente a ação das isoflavonas na pressão arterial.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Amora-Preta: nova opção para a diversificação das propriedades frutícolas

A amora-preta tem, nos últimos anos, despertado a atenção dos produtores e do mercado consumidor mundial. Associada a tais vantagens, como alimentos funcionais, capazes de prevenir e controlar determinadas doenças, tem aumentado a procura por esse fruto.



Os alimentos funcionais com efeito antioxidante removem os radicais livres, e têm como principal função o controle e a prevenção dos processos oxidativos e degenerativos que ocorrem no organismo, encontrado em diversos alimentos, como: amora, cereja, jabuticaba, morango, uva e vinho tinto.

Extratos de amora-preta tem efeito anti-mutagênico e anticarcinogênico para as linhagens humanas de câncer de útero, câncer de cólon, câncer oral, câncer de mama, câncer de próstata e câncer de pulmão. A amora-preta contém pectina em abundância, uma fibra solúvel que ajuda a reduzir os níveis de colesterol no sangue, atuando na prevenção de enfermidades cardiovasculares e circulatórias, no diabetes e no mal de Alzheimer. É muito recomendável aos que têm o organismo saturado de ácidos, como os que sofrem de reumatismo, gota e artrite.

 
Seu alto teor de ferro, em combinação com o cobre, faz com que a amora seja especialmente indicada contra a anemia, possui também propriedades diuréticas por seu alto teor de potássio, além de ser reguladora da pressão sangüínea.
Por tanto, o consumo desta fruta é importante para prevenir e controlar diversas doenças, juntamente com uma alimentação variada e nutricionalmente equilibrada.

Assinado por: Karen Tavares e Luciana Pachec



A amora preta, assim como a framboesa, faz parte de um grande grupo de plantas do gênero Rubus. Este gênero pertence à família Rosaceae, onde existem outros gêneros de importância para a fruticultura (Malus – maçã, Prunus – pêssego e ameixa, Pyrus – pêra, Cydonia – marmelo, entre outros).

A amora-preta é uma espécie arbustiva de porte ereto ou rasteiro, que produz frutos agregados, com cerca de 4 a 7 gramas de coloração negra e sabor ácido a doce-ácido. Apresentam em suas principais variedades comerciais espinhos, que exigem do operador da colheita muito cuidado com sua integridade física e com a qualidade do fruto. São plantas que só produzem em ramos de ano, sendo após a colheita eliminados, enquanto alguns ramos estão produzindo, outras hastes emergem e crescem renovando o material para a próxima produção.

No Rio Grande do Sul, a amora-preta tem tido grande aceitação pelos produtores, devido ao seu baixo custo de produção, facilidade de manejo, rusticidade e pouca utilização de defensivos agrícolas. A produtividade pode alcançar até 10.000 kg/ha/ano sob condições adequadas. No Estado de São Paulo, a região de Campos do Jordão é a mais representativa e em Minas Gerais os primeiros plantios estão sendo realizados em Caldas, Baependi e Barbacena. Regiões de clima temperado de altitude (superiores a 1.000 metros) são as preferencialmente exploradas.

As frutas podem ser usadas para consumo ‘in natura’ ou industrializados na forma de sucos naturais e concentrados, fruta em calda, polpa para sorvetes, corantes naturais e produtos geleificados, como geléias e doces cremosos. Além dessa versatilidade, a tecnologia de industrialização é simples e acessível.



Existe um número elevado de espécies dentro do gênero, perto de 300. Sua origem não é muito definida (provavelmente da Ásia, introduzidas na Europa por volta do século XVII), possuindo características de adaptação climática muito variadas, podendo encontrar cultivaros com exigência de frio (abaixo de 7,2 C) desde 100 horas ate 1000 horas/ano para quebra de dormência.

A amora preta se desenvolve bem em diversos tipos de solos, mas bem drenados, com pH entre 5,5 a 6,5. Pode-se utilizar irrigação, desde que sem exagero. É de porte ereto ou rasteiro, podendo atingir ate 2 metros de altura. As podas são necessárias para limpeza e frutificação. A longevidade é de 15 anos.

Propagação

A propagação da amoreira-preta se faz através de estacas de raízes (CALDWELL, 1984) as quais estas, por ocasião do repouso vegetativo, são preparadas e enviveiradas em sacolas plásticas.

Podem também ser usados brotos (rebentos), originados das plantas cultivadas. O uso de estacas herbáceas é uma das alternativas viáveis (RASEIRA et al., 1984; PERUZZO et al., 1995). Além destes, a multiplicação através da cultura de tecidos já é bem conhecida.
A multiplicação através de perfilhos retirados das entrelinhas de cultivo pode ser realizada, em muitos casos não há número suficiente de mudas e estas normalmente estão com tamanhos irregulares, além do estresse que pode ser causado no sistema radicular da planta-mãe.

Quer saber mais sobre a amora preta;
 
http://www.todafruta.com.br/todafruta/mostra_conteudo.asp?conteudo=12361, às 21:59h; de 2 de fevereiro de 2008.http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/


Amora/ProducaodeMudasAmoraPreta/cap04.htm às 15:13 de 18 de março de 2008.

http://www.portaldoagronegocio.com.br/index.php?p=texto&&idT=935 às 13:45 de 16 de março de 2008.