Mostrando postagens com marcador #horta. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #horta. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Técnica de plantio em palha reduz necessidade de irrigação e adubação


cultivos-ecod.jpg
O cultivo em palha traz várias vantagens sobre o sistema convencional
Foto: Renato Perez/Sesc/Divulgação
Uma técnica de plantar, que diminui as necessidades de irrigação e adubação das plantas para quem tem pouco tempo de cuidar de pequenas hortas urbanas, está tendo boa receptividade em São Paulo. Trata-se do cultivo em palha, que além das vantagens acima possibilita deixar os recipientes das plantas mais leve, podendo ser deslocados facilmente.

Em uma oficina realizada este final de semana no Sesc Vila Mariana, na capital paulista, o público pôde conhecer essa nova forma de plantar. “É uma técnica muito interessante, de baixa manutenção. A palha é um material que consegue reter bastante umidade, e que não requer rega diária. Além disso, por ser uma matéria orgânica, que entra em decomposição junto com o composto orgânico, diminui muito a manutenção da adubação também”, explicou Julhiana Costal, permacultora do ArboreSer, espaço agroecológico que dissemina práticas de plantio.

“Percebemos cada vez mais a insatisfação das pessoas com o que está sendo oferecido para elas nos mercados e nas feiras. Quanto mais as pessoas têm acesso à informação do grau de contaminação que está o nosso alimento, mais elas querem retornar ao processo de cultivar, se tornar um agente participativo também do meio de produção do nosso alimento”, disse Julhiana.
As pessoas podem encontrar palha no final de feiras, já que os feirantes a utilizam para embalar as frutas e depois descartam
Por conta disto, a agricultura urbana vem conquistando cada vez mais interessados dentro do contexto da agroecologia e do consumo de produtos sem agrotóxicos. Afinal, por meio de hortas urbana, é possível ter uma alimentação mais saudável e até gerar renda. Essas hortas podem estar diretamente no solo, em canteiros suspensos ou em vasos.

Diferente da agricultura tradicional, muitas vezes, as pessoas não têm conhecimento técnico nem muito tempo disponível para cuidar do plantio. A técnica de plantar em palha diminui a necessidade de irrigação e adubação para quem tem pouco tempo para cuidar da horta, além de deixar o recipiente leve, podendo ser deslocado facilmente.

Segundo Julhiana Costal, as pessoas podem encontrar palha no final de feiras, já que os feirantes a utilizam para embalar as frutas e depois descartam. “Geralmente fazemos [o plantio com palha] em caixotes de madeira, que ficam muito leves. Quando vamos fazer o manejo, é muito fácil mudar de lugar,inclusive para colocar em lajes, telhados e em lugares que não podem ter sobrepeso”, disse.

Muito agrotóxico
Ela disse que muitas das pessoas que procuram a agricultura urbana estão preocupadas com o consumo de alimento sem agrotóxico. “Estamos em um momento em que nos desconectamos do meio de produção do alimento, temos consumido muito alimento que vem de uma agricultura convencional, cheia de veneno, de agrotóxico. Cada brasileiro está consumindo sete litros por ano [de agrotóxico]. Então, acreditamos que o resgate do ato de plantar traz muitos benefícios”, disse.
Além disso, a permacultora comentou que a agricultura traz benefícios para a cidade. “Hoje temos nas cidades áreas que são quase ilhas de calor. Então, quando você planta uma horta, você ajuda a melhorar muito o microclima desse espaço, você diminui o calor, aumenta a biodiversidade. Hoje estamos muito dependentes do campo e, quando começamos a plantar na cidade, a aumentar a produção de alimento no meio urbano, também aumentamos a resiliência da cidade”, avaliou.
A oficina de plantio em palha vai acontecer também no próximo dia 27 de agosto no Sesc Vila Mariana, na capital paulista, às 11h. A atividade é gratuita e a retirada de ingressos começa uma hora antes.
(Por Camila Boehm, da Agência Brasil)

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Mais um minhocário em porto Alegre II ! #Humus


Aos poucos semeando minhocários por Porto Alegre, transformando lixo em luxo!
 Acredito que é uma forma de levar o ser humano a encontrar-se com a natureza, é menos lixo sendo transportado para o aterro sanitário (apenas 130 km desta capital), são jardins e hortas adubadas com humus, produzindo flores e frutos.

Quer um? fale comigo agropanerai@gmail.com


Não tem verba para gastar com minhocário? 
Faça um modelo baratinho com baldes http://cadicominhocas.blogspot.com.br/

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Conheça as caraterísticas dos adubos orgânicos!

Extraído do blog Mundo da Horta
O objetivo da adubação orgânica é manter ou aumentar a fertilidade do solo e da sua atividade biológica.  Devemos “nutrir o solo para alimentar a planta”. Adubar não é simplesmente fornecer nutrientes para as plantas. Adubar é uma ação global que tem como objetivos simultâneos  melhorar a fertilidade e a saúde do solo e garantir a nutrição das plantas.  A adição de adubos orgânicos melhora, consideravelmente, as características físicas e biológicas do solo.

Adubos orgânicos humus de minhoca
É o produto resultante da decomposição da matéria orgânica digerida pelas minhocas. É  a forma mais decomposta de matéria orgânica, o que facilita a sua degradação por micro-organismos do solo e facilita a liberação de nutrientes. Entre suas qualidades estão:
– Bons teores de macronutrientes (nitrogênio, potássio, fósforo,  enxofre, cálcio e magnésio) e especialmente de micronutrientes (cobre, molibdênio, zinco, ferro, e cloro)
– Durante seu processo digestivo as minhocas promovem um aumento da população de micro-organismos, principalmente bactérias benéficas, sendo o húmus de minhocas uma excelente fonte de micro-organismos para o solo.
– Não tóxico para as plantas, os animais e o homem.
– Proporciona um equilíbrio nutricional às plantas, pois as substâncias que contém são liberadas lentamente.
– Antecipa e prolonga os períodos de florada e frutificação das plantas.

bokashi horta em casa
Produto da agricultura natural japonesa, o Bokashi é um fermentado com organismos vivos que acelera a decomposição da matéria orgânica, colocando a disposição das plantas minerais importantes ao seu desenvolvimento. É um recurso que associado a práticas de incorporação de matéria orgânica, auxiliando o processo de recuperação da vida do solo e da sua fertilidade.
Melhora as condições físicas, químicas e biológicas do solo, proporcionando às plantas as condições ideais para o pleno desenvolvimento. Favorece o ambiente para que as raízes e microrganismos se beneficiem mutuamente. As raízes, além de absorver nutrientes do solo, secretam substâncias nutritivas, sendo que esta secreção ocorre na rizosfera, onde os microrganismos atuam. Estes por sua vez, absorvem substâncias de difícil assimilação e as transformam em substâncias assimiláveis pelas plantas, proporcionando uma nutrição equilibrada e fortalecendo aplanta contra o ataque de pragas e doenças.
O adubo orgânico pode ser aplicado via foliar ou via gotejamento (Bokashi líquido) ou diretamente no solo (Bokashi líquido e/oufarelado)

adubo carvão vegetal - Copia
fino de carvão é uma forma bastante estável da matéria orgânica do solo utilizado na composição de substratos orgânicos. É um material poroso, o que permite aumentar a capacidade de retenção de água e de absorção de compostos orgânicos solúveis.  Facilita a proliferação de organismos benéficos, além de possuir em sua composição elementos minerais como: magnésio, boro, silício, cloro, cobre, manganês, molibdênio e, principalmente, potássio.
No Brasil, um exemplo do efeito benéfico do carvão são os solos da Bacia Amazônica chamados Terra Preta de Índio . Eles teriam sido produzidos com a combinação de carvão vegetal, cerâmica e matéria orgânica de origem vegetal e animal.. Se estima que a produtividade dos solos pretos é 15% maior do que os outros solos.

farinha ossos
É um produto oriundo de ossos bovinos que são incinerados a mais de 500 graus de temperatura até a queima total. Após um período de resfriamento estas cinzas são moídas.
A farinha de ossos é um adubo orgânico rico em fósforo e cálcio, elementos essenciais ao crescimento, floração e frutificação das plantas. É o principal fertilizante orgânico fonte de fósforo, elemento absorvido pelas raízes das plantas e determinante para o aumento da produtividade. Outra vantagem da farinha de osso é que sua solubilização é lenta, o que garante o suprimento de fósforo as plantas por um bom tempo, diferente que os superfosfatos (fertilizantes inorgânicos) que tem uma rápida solubilização em água.

torta de mamona
           A torta de mamona, produzida durante a extração do óleo, é um importante subproduto da cadeia produtiva da mamona. Se trata de uma rica fonte de nitrogênio de lenta liberação que também funciona como condicionador de solo, elevando o nível de matéria orgânica. Outro efeito bem documentado da torta de mamona é o controle de fitonematóides, quer seja pelo efeito nematicida direto quando aplicada no solo, pela liberação de substâncias tóxicas decorrentes do processo de decomposição, ou mesmo pela estimulação da microbiota natural do solo antagônica a estes fitopatógenos.

calcareo de cochas
Os calcários são rochas sedimentares com quantidades acima de 30% de carbonato de cálcio. Quando o calcário é um aglomerado formado da natureza por conchas e fragmentos de conchas é denominado  calcário de conchas ou conquífero. O calcário de conchas na agricultura orgânica é utilizado para corrigir a acidez do solo. Ao mesmo tempo em que faz  essa correção, o calcário também fornece cálcio e magnésio indispensáveis para a nutrição das plantas.  A aplicação do calcário aumenta a disponibilidade de  nutrientes para as plantas e permite a maximização dos efeitos dos fertilizantes, e consequentemente o aumento substancial da capacidade  produtiva da terra.

estercol de origem animal
O esterco é a designação dada ao material orgânico em avançado estado de decomposição proveniente de excrementos de animais utilizados para fertilizar plantas. Às vezes o esterco consiste em mais de um resíduo orgânico, tal como excrementos de animais e restos das camas, como acontece com a palha. Os estercos, em função de suas características químicas, têm um alto potencial fertilizante, podendo substituir, quando são adicionados com outro adubo orgânico, totalmente a adubação química e contribuir significativamente para o aumento da produtividade das culturas. É muito importante que o esterco esteja bem fermentado para inativar os microrganismos patogênicos e o risco de contaminação. Os adubos orgânicos de origem animal mais utilizados  são o esterco bobino, o esterco de galinha e o esterco de porco.

COMPOSTOS DE LIXO DOMÉSTICO
adubo do lixo domestico
O composto é o produto final do processo de compostagem do lixo doméstico. A compostagem é um processo natural de transformação da matéria orgânica do lixo em compostos mais simples que podem ser utilizados como nutrientes pelas plantas. A compostagem é realizada pelos próprios microorganismos presentes nos resíduos, em condições ideais de temperatura, aeração e umidade. Esses micro-organismos vão descompor e estabilizar os compostos constituintes dos materiais liberando dióxido de carbono e vapor de água.

po de rocha
Os solos mais férteis do mundo tiveram sua origem nas erupções vulcânicas. Apesar do constante perigo  dos vulcões, as pessoas continuam a viver próximas aos mesmos devido à fertilidade do solo vulcânico.
pó de rocha é um produto originário das rochas vulcânicas utilizado para rejuvenescer solos pobres. O pó de rocha contém cerca de 60 a 70 elementos químicos, entre micro e macro nutrientes, além dos oligoelementos úteis.
Entre suas qualidades e benefícios estão:
– É pouco solúvel, diminui os riscos de perdas do produto.
– Presença de macro e micronutrientes essenciais.
– Corrige o pH (acidez) do solo.
– Em conjunto com a matéria orgânica, incentiva a vida do solo.
– Proporciona um equilíbrio nas plantas, fortificando-as e diminuindo assim a necessidade de defensivos agrícolas.

extracto pirolenhoso
extrato pirolenhoso, também conhecido como ácido pirolenhoso, líquido pirolenhoso ou vinagre de madeira,  é extraído da queima da madeira e atua tanto no controle de pragas como na adubação. Originário do Japão, onde é utilizado há séculos, é um líquido resultante da condensação da fumaça composto por mais de 200 substâncias que interagem entre si.
É  condicionador do solo, bioestimulante vegetal, indutor de enraizamento e repelente de insetos. É um excelente fertilizante para orquídeas,  já que  promove um aumento no número de brotos, garantindo o aumento do número de flores.

aubação orgânica na planta
Os aminoácidos ativam o metabolismo geral do solo e da planta, melhorando a fotossíntese e outros processos fisiológicos vitais. Usado como adubo para todo tipo de plantas, o aminoácido favorece a capacidade de absorção das raízes e otimiza as transformações químicas, dando como resultado um melhor aproveitamento de nutrientes, maior brotação, floração e principalmente melhor resistência a pragas e doenças. É um excelente adubo para orquídeas.
A utilização de aminoácidos via solo ou via foliar além de fornecer a planta uma fonte direta para que esta sintetize as proteínas, fornece também energia adicional necessária para suprir as demandas nos momentos críticos do ciclo vegetativo.
As vantagens do uso de aminoácidos são:
– Proporciona um metabolismo mais equilibrado das plantas
– Ativação da fotossíntese das plantas resultando em plantas mais verdes e com maior conteúdo de açúcar
– Redução de fitotoxicidade de determinados defensivos agrícolas
– Maior tolerância das plantas a pragas e doenças (papel imunológico)
– Aumenta a absorção e a translocação dos nutrientes aplicados na parte aérea das plantas
– Sistema radicular mais desenvolvido e vigoroso
– Regulador da atividade hormonal das plantas
– Maior tolerância das plantas ao stress hídricas e geadas
– Aumento do florescimento das plantas
– Alimento para a micro-vida do solo contribuindo dessa forma para a melhoria da estrutura física do solo

Autor: Miguel Lancho Jiménez




quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Horta em apartamento – Saiba tudo, como fazer, o que plantar



 

Fonte site: viver em casa


Hoje vamos falar sobre um assunto sério, mas ao mesmo tempo, muito prazeroso e saudável, vamos falar sobre horta em apartamento ou horta caseira. Ela ganha cada vez mais evidência e inclusive agora está presente em pequenos ambientes surgindo na versão horta vertical.

O que são hortas verticais?

Hortas verticais tem como principal característica o fato de ser penduradas ou fixadas em estruturas verticais, por exemplo na parede de apartamentos ou até mesmo de casas e tem por finalidade o melhor aproveitamento do espaço para ter uma horta em casa.
Grande parte das hortas são comportas por estruturas que são leves e que são fáceis de serem compradas ou até mesmo construídas com garrafas pet e outros materiais que muitas vezes são bem baratos.
As hortas verticais são indicadas principalmente para locais pequenos ou onde o espaço é bastante limitado como por exemplo apartamentos pequenos.

Por que ter uma horta em apartamento?

O apartamento é um ambiente geralmente menor quando comparado com uma casa, e principalmente, se comparado a uma casa com jardim, mas há um ponto positivo na grande maioria dos apartamentos que é o fato deles possuírem sacada ou algum ambiente externo, ainda que muitas vezes pequeno.


Horta em apartamento
Fonte: Casa e Jardim

Ter uma horta em apartamento traz muitos benefícios e vantagens ao ser humano, entre eles:
  • Alimentação mais saudável – na sua horta caseira, você irá plantar produtos sem agrotóxicos, isso permite que você produza e se alimente com produtos orgânicos, que são mais saudáveis e menos nocivos a sua saúde, além de contribuir com a nutrição da família.
  • Estímulo maior ao consumo de folhas e saladas – É natural que você se sinta mais estimulado a usar a sua horta de apartamento, nas suas refeições, nos tempero dos alimentos, aumentando também a diversidade de alimentos.
  • Decora o ambiente – Ter uma horta em apartamento também ajuda na decoração, pois em geral, o verde dos alimentos cultivados ou até mesmo o colorido de uma flor, humaniza o ambiente e deixa ele muito mais bonito e alegre, traz vida ao ambiente e melhor, sem gastar muitos.
  • Hobbie – fazer a sua horta no apartamento pode ser muito prazeroso, assim como cuidá-la diariamente, aparando as folhas, regando para mantê-la saudável entre outras atividades.
  • Colaboram para minimizar os efeitos de emissão de carbono.
  • Contribuem para a diminuição da temperatura do ambiente.
  • Deixa o custo com alimentos consumidos mais barato;

Horta em apartamento como fazer?

O primeiro passo que você precisa fazer é identificar em qual ponto do seu apartamento, você terá condições de instalar a sua horta vertical, é recomendado que você algum local que tenha acesso a luz e também possua ventilação. Geralmente essas características são encontradas em alguma parede da sacada do apartamento.


painel para horta vertical
Fonte: Meu Móvel de Madeira – Jardim vertical capri – Jatobá

Uma dica é buscar por um painel de jardim vertical que caiba na sua sacada, você pode encontrar este produto em lojas especializadas em artigos de jardinagem ou até mesmo em  lojas de produtos para casa e decoração.O painel para jardim, geralmente traz toda a sustentação para os vasos para você começar a plantar.
Mas essa não é a única opção, você também pode buscar por produtos como o painel de fibra de coco com vasos:


painel de fibra de coco para horta vertical
Fonte: Leroy Merlin – Painel de fibra de coco 100 x 100 cm com 8 vasos
Caso você não disponha de um lugar na parede ou até mesmo não queira utilizá-la, você pode adotar outra solução como a estante com prateleiras:


estante para horta na sacada de apartamento
Fonte: Meu móvel de madeira – Estante 3 pateleiras Holi – Jatobá

Todos estes produtos podem ser encontrados em lojas especializadas a um custo que varia entre R$ 150,00 a R$ 800,00. A dica para gastar menos é fazer uma boa pesquisa pois existem muitas lojas que vendem esse tipo de produto e a diferença entre eles varia bastante.
É possível fazer seu próprio painel de de jardim vertical ou treliça economizando ainda mais na montagem da sua horta vertical.
O segundo passo é separar as ferramentas para instalação do painel, de forma geral você vai precisar de:
  • Lápis
  • Chave de fenda
  • Buchas e parafusos
  • Trena
  • Furadeira
  • Braçadeiras ou ganchos metálicos
  • Vasos
Veja no vídeo abaixo, produzido pela Equipe do Leroy Merlin, um exemplo bem fácil e rápido, um passo a passo de como você pode fazer a montagem da sua horta caseira:

Horta vertical o que plantar?

A horta vertical principalmente se você deseja ter uma horta em apartamento, permite que você plante muitas coisas, mas são usadas principalmente para no plantio de temperos, ervas e hortaliças, que no brasil usamos quase todos os dias, mas afinal, o que plantar?
Você pode plantar principalmente: coentro, salsinha, sálvia, cebolinha, alface, pimentão, tomate-cereja, rúcula, orégano, manjericão, hortelã, tomilho, couve-folha, alecrim, calêndula, capuchinho entre outras plantas diversas.

Modelos de hortas em apartamento

Abaixo separamos vários exemplos de como você pode montar a sua horta em apartamento, confira, tire ideias para fazer na sua casa e principalmente divirta-se!

#1 – Horta em garrafa pet

quer fazer uma horta fácil e barata? você pode fazer a sua horta caseira usando garrafas pet, dispostas tanto na vertical quanto na horizontal.


Horta em garrafa pet
Fonte: Sempre Tops
Horta em garrafa pet
Fonte: Banana Craft

#2 – Horta em caixotes

Você pode fazer a sua horta vertical em caixotes, uma dica legal é pintar a frente da madeira do caixote usando tinta do tipo lousa, assim você pode escrever usando giz, o nome do que você plantou. Fica muito mais legal e divertido não é mesmo?


Horta em caixotes
Fonte: 99 Pallets

#3 – Horta em cano de pvc ou alumínio

Essa é uma boa ideia para você fazer sua horta caseira usando aqueles pedaços de cano de pvc ou até mesmo cano de alumínio, pedaço de calha que você não usa mais. Uma dica que fica muito legal é comprar uma tinta spray, da sua cor preferido e pintar o cano, assim você pode dar muita vida e cor a sua horta vertical.


Horta em cano de pvc
Fonte: Click interiores

#4 – Horta em pallets

Você pode ter no seu apartamento ou em sua casa, uma horta em pallets, velhos ou até mesmo novos, é um produto barato e que você pode conseguir facilmente e principalmente em empresas de logística, empresas que armazenam produtos em geral, indústrias ou até mesmo em lojas especializadas que confeccionam estes tipos de produtos.


Horta em pallets
Fonte: Clausathings

#5 – Horta em vasos

Você pode aproveitar fazer a sua horta em vasos, baldes e latas que muitas vezes você já não usa mais. É muito fácil de fazer pois você pode apoiá-los em cima de alguma estrutura ou até mesmo fazer furos nas laterais e usando correntes ou cordas, você pode pendurá-los.


Horta em vasos
Fonte: Paperblog
Horta em vasos
Fonte: Minha Casa

#6 – Horta na sacada

Já falamos no início deste artigo que você pode adquirir ou até mesmo fazer paineis para montar a sua horta vertical. Neste exemplo foi utilizado para montar a horta na sacada, um painel como estrutura e vários vasos e latas diferentes para o plantio da horta.
A dica fica por conta do tapete verde colocado no chão da sacada, ficou um charme, deu até aquela sensação de estar em meio a natureza não é verdade?


Horta na sacada
Fonte: Ikea
Horta na sacada
Fonte: Minha casa

#7 – Horta na parede

Até mesmo aquela parede que você jamais pensaria em usar para a decoração ou plantio pode ser utilizada. Neste exemplo a horta na parede deu aquele toque especial e não apenas deu beleza e vida ao ambiente, como aproveitou um local que possuía entrada dos raios solares.


Horta na parede
Fonte: Montando minha casa

#8 – horta em espaço pequeno

Você pode ter uma horta em espaço pequeno, este é um belo exemplo, muito simples, usando vasos colocados ao chão ou pendurado, na sacada deste apartamento. Muitas vezes, a beleza e a utilidade está na simplicidade.


horta em espaço pequeno
Fonte: My scandinavian home

#9 – Horta em latas

As latas estão sempre presentes em nossa vida, acondicionam alimentos, óleos, entre outros produtos diversos. Você pode fazer uma horta em latas muito facilmente, realizando o plantio como se fosse em um vaso comum.


Horta em latas
Fonte: We share ideas

#10 – Horta em vidro

É possível também criar a sua horta em vidro, usando potes de vidro de café, garrafas ou potes de vidro de qualquer natureza. Neste exemplo, foi usado um painel para fixar os vidros, usando uma espécie de braçadeira, onde os vidros foram dispostos na diagonal para facilitar a retirada dos alimentos. Abaixo de cada vidro, foi utilizada tinta branca para escrever o nome de cada plantio.
Horta em vidro

#11 – Horta na cozinha

Cada vez mais as as pessoas estão investindo no ambiente da cozinha, usando móveis sob medida, móveis planejados, buscando deixar o ambiente ainda mais aconchegante e familiar, buscando ter cozinhas mais bonitas, modernas e funcionais. Por isso, você pode planejar os seus móveis para permitir ter uma hora na cozinha.


Horta na cozinha
Fonte: Pense Imóveis

sexta-feira, 7 de julho de 2017

HORTA EM APARTAMENTO como fazer?



Básico de horta em apartamento

  1. Escolha/defina o local onde será feita a sua horta. Prefira locais que tenha acesso a ventilação e luz natural.
  2. Escolha o formato da horta que você irá fazer. Acima você viu várias formas de montar a sua.
  3. Busque ou adquira as ferramentas adequadas para construção e montagem da sua horta. O uso de ferramentas inadequadas pode causar todo um transtorno tanto na montagem quanto para manter a horta posteriormente.
  4. Adquira os materiais orgânicos e mudas para o plantio da sua horta. Busque informações sobre a necessidade de água, iluminação, ventilação e outros cuidados de acordo com a sua planta escolhida.
  5. Faça disso um hobbie, envolva toda a sua família, é legal, importante e muito saudável.
Espero que tenham gostado desse texto, gostamos de saber sua opinião, deixe os seus comentários, suas colocações, suas dicas, conte-nos como você fez em sua casa, escreva-nos suas dúvidas.

terça-feira, 27 de junho de 2017

A horta tem importância na terapia ocupacional, educacional, econômica e medicinal.


“Uma dieta à base de produtos orgânicos está relacionada à prevenção de alguns tipos de câncer e doenças coronarianas, dermatites, sequelas neurológicas, Parkinson, esterilidade em adultos e alergias e hiperatividade em crianças”, destaca Círio Parizotto, da Epagri.



As hortaliças agroecológicas são mais nutritivas. São ricas em vitaminas A, C, B, E, K, proteínas, fibras, cálcio e ferro (ver tabela). “Uma dieta à base de produtos orgânicos está relacionada à prevenção de alguns tipos de câncer e doenças coronarianas, dermatites, sequelas neurológicas, Parkinson, esterilidade em adultos e alergias e hiperatividade em crianças”, destaca Círio Parizotto, da Epagri. De acordo com ele, a dieta orgânica é livre de produtos radiolíticos (provenientes de irradiações) de ação carcinogênica. Além dissso, a horta tem importância na terapia ocupacional, educacional, econômica e medicinal.
Em relação à mão de obra a horta de autoconsumo ecológica não difere de uma convencional. “Há diferença quando se trata de grandes plantios, principalmente quanto ao manejo de ervas espontâneas”, diz.


Conhecimentos - A agricultura agroecológica exige mais conhecimentos do que a convencional, por ser mais complexa. Na convencional são usados “pacotes tecnológicos”, os quais poderão ser aplicados em diferentes regiões do país com resultados similares. Não exige muitos conhecimentos por ser simplista. Já na agroecologia isso não é possível, pois não existe uma receita. Cada propriedade possui suas peculiaridades em relação ao clima, solo, exposição, altitude etc. 
Nesse sentido, o conhecimento acumulado sobre a realidade local é fundamental para o sucesso desse sistema, ou seja, o avanço da agroecologia depende da união do saber local com o científico. Por isso, os jovens de Linha Fátima, em Dom Feliciano (RS), participam da Escola de Jovens Rurais, onde aprendem técnicas de agricultura ecológica.


Canteiros obedecem espaçamentos



O preparo dos canteiros é fundamental para o sucesso da horta doméstica. Espécies cultivadas em espaçamentos maiores, como repolho, pepino, abobrinha, cebola, tomate não necessitam formar os canteiros. Nesses casos, prepara-se a cova ou o sulco de plantio.

Há dois tipos de canteiros: temporários e fixos (tijolos, pedras, madeira, embalagem pet e bambu). Eles obedecem as seguintes dimensões: largura: 1 a 1,1 m; altura: 15 a 20 cm; com comprimento variável. A distância entre canteiros deve ser de 40 cm a 50 cm.

A área a ser plantada precisa estar limpa. O produtor deve aproveitar esses resíduos para adubo. Recomenda-se espalhar, por m2, misturando bem a terra, de 15 a 20 litros (ou 15/20 kg) de esterco de curral ou de 8 a 10 litros (8/10 kg) de esterco de galinha.

Após a produção das próprias sementes ou adquiridas de fornecedores orgânicos, elas podem ser semeadas diretamente nos canteiros ou em sementeiras e depois transplantadas. “Quanto aos tratos culturais, dependendo da hortaliça cultivada, deve-se fazer amarrios, desbaste, desbrota ou estaqueamentos”, orienta a agrônoma Neiva Rech.

Para irrigar, a água deve ser de boa qualidade. O sistema de gotejamento é indicado. A água da chuva é uma fonte ideal, por seu conteúdo em nitrogênio e oxigênio. Não utilizar água de rios contaminados. A irrigação de hortaliças folhosas (alface, chicória, rúcula, almeirão...) deve ser diária; nas demais, de três em três dias.




Cobertura - Para cobertura pode-se utilizar casca de arroz, palhas diversas, acículas de pínus e lona plástica. A camada deve ter de 5 a 10 cm. Isso reduz plantas espontâneas e mão de obra, temperatura no verão e doenças, mantém umidade, fertiliza o solo e as hortaliças ficam mais limpas.

Recomendações ao consumidor



  1. Dê preferência a frutas e verduras da época. Fora da estação adequada é quase certo que tenham recebido cargas maiores de agrotóxicos. Como existe pouca fruta produzida organicamente, procurar sempre descascar as frutas, em especial laranjas, pêssegos e maçãs.
  2. Lave bem frutas e verduras em água corrente durante pelo menos 1 minuto ou coloque-as numa solução de água (1 litro) com vinagre (4 colheres), durante 20 minutos.
  3. Retire folhas externas das verduras que, em geral, concentram mais agrotóxicos.
  4. Diversifique nas hortaliças e frutas. Além de propiciar boa mistura de nutrientes, isso reduz a chance de exposição a um mesmo agrotóxico.
  5. Prefira produtos nacionais e de sua região. Alimentos que percorrem longas distâncias normalmente são pulverizados pós-colheita e podem possuir alto nível de contaminação por agrotóxicos. (fonte: Epagri).

segunda-feira, 26 de junho de 2017

A revolução da palha - Masanobu Fukuoka

Por: Joop Stoltenborg

O agricultor e filósofo japonês Masanobu Fukuoka revolucionou a agricultura.

Nas terras que ele planta não lavra o solo, não tira ervas da-ninhas, não usa agrotóxicos ou adubos químicos. Ele semeia arroz, cobrindo as sementes com palha da cultura anterior e colhe 6.000Kg por hectare ou mais.
Em seguida, semeia um cereal de inverno como aveia, centeio ou trigo, junto com trevo e colhe novamente 6.000 kg de cereais da mesma área. Ele consegue tirar 12.000kg de cereais por hectare sem adubo trazido de fora, está fazendo isso a 50 anos e a terra melhora cada vez mais.



Qual é o segredo?

1.Cobrir a terra sempre com palha antes ou depois da semeação.

2. Usar adubação verde, que no caso dele é o trevo que ajuda a tirar Nitrogênio do ar.

3. Não usar agrotóxicos restabelecendo o equilíbrio do solo e meio ambiente, e com isso não tem problemas com as pragas.

4. Plantar faixas de quebra vento.

O trabalho dele chamou a atenção no mundo todo e o livro “ One Straw Revolution” e “The natural way of farming” se espalhou no mundo.
Na Somália ajudou agricultores de modo que suas terras queimadas voltassem a ser campos verdes. Na Índia, o seu método de fazer agricultura com os meios mais simples abriu novamente perspectivas aos agricultores mais pobres. Na Tailândia e alguns países africanos, transformou pequenas regiões diversificadas em paisagens verdes, ricas em diversidade florestal. Em março de 98 começou na Gré-cia a primeira ação de reflorestamento na Europa.
Hoje com a idade de 86 anos recebeu o prêmio Magsasay (Prêmio Nobel da Paz no Extremo Oriente) pela sua contribuição para o bem da humanidade.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Adubo natural de Babosa , Aloe Vera


Os estudos científicos mais e mais apoio à utilização de aloe vera para tratar várias condições e doenças. Além disso, seu uso em cosméticos é bem estabelecida e gradualmente a ser introduzido como um ingrediente culinário. Mas esta planta é muito versátil e está provando a sua eficácia como fertilizante agrícola, que é muito interessante para as culturas organicamente exploradas.


É bastante lógico, considerando que aloe vera contém numerosos minerais e nutrientes que podem ser benéficos para as plantas.

A cooperativa Argentina Pergamino Aloe Vida realizou um estudo que demonstra a eficácia da aloe vera como um fertilizante estimulador e crescimento da cultura. Tudo começou com o conhecimento de um estudo realizado no laboratório de Plantas Medicinais de Doutor Juan Tomas Roig, em Havana, Cuba, em que a relação entre o uso de aloé vera como fertilizante e estimulação de crescimento e mostraram enraizamento. Após os estudos realizados e obtenção de dados favoráveis, a cooperativa comercializa atualmente o seu próprio adubo foliar aloe vera.

Adubo caseiro aloé vera
Mas para usar em casa aloe vera como um fertilizante natural basta ter um pedaço de aloe vera e fazer um esmagamento simples removendo os espinhos. 

Quando esmagada a folha, você obtém um gel esverdeada. Adicionar uma pequena quantidade deste em cada planta.Também pode ser diluído em água a uma taxa de 100 ml por litro de água e irrigar plantas.

fonte:http://aloevaro.blogspot.com.br/2014/01/el-aloe-vera-como-abono-ecologico.html

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Substratos ideais para plantio em vasos


Autor: Sidnei Trindade, em Jardinagem,Paisagismo


Fibra de coco
A nova realidade urbana do Brasil do século XXI impõe uma única escolha aos amantes de jardins que moram em áridos locais rodeados de cimento e asfalto: os vasos. Hoje, muito por conta do desenvolvimento de espécies que se adaptam aos espaços cada vez mais diminutos, é possível ter árvores e palmáceas em ambientes internos, como nos provam o paisagismo de shopping centers. Se a escolha recai sobre flores e arbustos, as alternativas são inúmeras, tanto do lado dos cultivares quanto do tamanho dos recipientes. Contudo, é preciso um cuidado extra na escolha dos substratos ideais para plantio em vasos.
Casca de pinus
Casca de pinus
Além da tradicional e sempre lembrada terra vegetal, há diversos substratos criados a partir das necessidades físicas e nutricionais das diversas espécies de plantas ornamentais existentes. Como já foi dito em textos anteriores, o substrato é o vetor onde as plantas desenvolverão as raízes que a fixarão e o meio físico de onde elas retirarão os nutrientes essenciais à sua subsistência. Os substratos existentes são uma mistura homogênea de elementos orgânicos e minerais que podem ser produzidos pelo ser humano tanto de forma caseira quanto industrial.
Vermiculita
Vermiculita
As características comuns a todos os substratos são:
  • Ser o suporte monopodial ou simpodial à planta e aos seus rizomas;
  • Ser fonte de nutrição e permitir a interação com os reforços de adubo;
  • Perfeita retenção da umidade necessária à espécie de planta escolhida;
  • Adequação ao crescimento rizomatoso (das raízes) e consequente agregamento;
  • Estar livre de doenças e demais fatores de contaminação.
Dentre os substratos mais facilmente encontrados em casas de jardinagem, podemos destacar alguns. Para que todas as dúvidas sejam dirimidas a contento, deve-se procurar um especialista informando a planta escolhida, o tipo de vaso e o ambiente em que ela ficará.
Fibra de coco
Fibra de coco
Casca de arroz – material que agrega boa permeabilidade e porosidade ao substrato, permitindo crescimento adequado de raízes pivotantes e fasciculadas, além de fornecer micronutrientes importantes, como o potássio e magnésio.
Vermiculita – mineral de origem ígnea (oriundo do resfriamento do magma), cuja capacidade de retenção de água é muito utilizada em solos arenosos. Bom veículo para nutrientes, graças à sua capacidade de suportar a temida lixiviação causada pela chuva.
Fibra de coco – muito usada como substrato de orquídeas graças à porosidade e leveza. Capaz de reter água com muita facilidade e perfeita por ser um material facilmente esterilizável.
Turfa –  material vegetal, resultado da decomposição parcial de musgos e cascas de árvores. O mais caro dentre os substratos aqui descritos, já que as chamadas turfeiras são ecossistemas que são protegidas por diretrizes ambientais específicas. Usada em conjunto com substratos vegetais e minerais que precisem de aporte poroso e nutritivo.
Casca de pinus – mais um substrato muito usado por orquidófilos por permitir retenção de água e rápida troca gasosa com o ambiente. Atóxica e perfeita para eliminar focos de erosão em terrenos degradados.