quarta-feira, 31 de maio de 2017

Sua Saúde 10! Combinação de azeite e salada é 'segredo' da dieta mediterrânea


Preparação de salada (PA)
Acidos graxos resultantes da combinação entre gordura e nitrato fazem bem à saúde
Cientistas britânicos sugerem que a combinação de azeite de oliva e salada com folhas verdes ou vegetais explica por que a chamada dieta mediterrânea é tão saudável.
A união desses dois grupos alimentares - um rico em gordura insaturada e o outro, em nitrato - formam ácidos graxos que ajudam a baixar a pressão arterial, segundo estudo publicado no periódico científico PNAS.
A adição de nozes e abacate também ajudam a compor uma combinação saudável.
Inspirada pela culinária tradicional de países como Grécia, Espanha e Itália, a dieta mediterrânea há tempos é associada à boa saúde, inclusive cardíaca.
Essa dieta costuma incluir vegetais em abundância, frutas frescas, cereais integrais, azeite de oliva e nozes, além de frango e peixe - no lugar de carne vermelha ou gordura animal.
Ainda que, individualmente, cada ingrediente dessa dieta tenha benefícios nutricionais bem conhecidos, ainda não estava claro para os cientistas o que tornava o conjunto da dieta mediterrânea tão saudável.

Reação química

Philip Eaton, do King's College London, e colegas da Universidade da Califórnia acreditam que a fusão de ingredientes da dieta resulta na produção de ácidos graxos.
No estudo, que contou com financiamento da British Heart Foundation, os especialistas utilizaram camundongos geneticamente manipulados para analisar o impacto dos ácidos graxos no organismo.
Eles perceberam que a substância ajudou a baixar a pressão arterial dos roedores ao bloquear uma enzima chamada hidrólise de epóxidos.
"Humanos têm a mesma enzima, então achamos que o mesmo acontece com as pessoas", afirmou Eaton.
Ainda segundo ele, isto explica por que a dieta mediterrânea faz bem à saúde, apesar de ter gordura.
"A gordura, quando misturada a nitratos e nitritos, forma uma reação química que resulta em ácidos graxos".
"É o mecanismo de proteção da natureza. Se apostarmos nisso, poderíamos fabricar novos medicamentos para tratar pressão alta e prevenir doenças cardíacas".
Eaton afirmou que agora devem ser realizados testes com humanos.
Sanjay Thakrar, da British Heart Foundation, diz que o estudo é relevante, mas que "é preciso investigar mais".
"Por enquanto, os experimentos foram realizados apenas em camundongos, que têm formas diferentes de reagir ao que entra em seus organismos".