sexta-feira, 18 de maio de 2018

Açaí: fruta tropical saborosa e aliada dos atletas



Fonte: site jasmine alimentos

por Redação
em 24 de abril de 2017
Uma joia natural amazônica. Assim pode ser considerado o açaí, frutinha roxa com alto valor nutricional, típica da região Norte do país e um dos nossos tesouros tropicais. A fruta é famosa não só por conferir energia, mas também por sua versatilidade. Na Amazônia ela é consumida gelada com farinha ou como pirão, servida com peixe. É possível ainda apreciá-la in natura com cereais ou banana, ou também como sucos, sorvetes e geleias. Opções não faltam para aproveitar o sabor delicioso do açaí e todos os seus benefícios.

Qual a origem do açaí?

Embora seja uma das frutas mais conhecidas do país, até a década de 1980 o açaí era consumido, basicamente, na região Norte. Apenas depois da segunda metade dessa década é que ela passou a ganhar espaço no resto do Brasil e virou opção queridinha de atletas e de quem privilegia uma dieta mais saudável, rica em nutrientes.

Quais as propriedades do açaí?

As propriedades nutricionais do açaí são inversamente proporcionais ao seu tamanho. A fruta é rica em minerais como cálcio e potássio, por isso ajuda no fortalecimento dos ossos e, consequentemente, na prevenção da osteoporose. Ainda é fonte de ferro e fósforo.
O açaí possui mais propriedades antioxidantes do que a uva e, em conjunto com a vitamina E, reduz o colesterol ruim e melhora a circulação sanguínea. O resultado disso é ainda o combate ao envelhecimento precoce e a prevenção de diversas doenças cardiovasculares.

Por que a fruta é boa opção para quem deseja emagrecer?

Essa é uma fruta fonte de fibras, por isso ela confere uma maior sensação de saciedade ao ser consumida. E essa é uma das razões de ela ser vista como uma aliada da dieta. Afinal, se você sente menos fome, come menos e assim perde peso.
Mas atenção: o açaí é rico em carboidratos e, se você não se exercita regularmente e exagera no consumo da fruta, o resultado poderá ser o acúmulo de gordura. Por isso, é essencial inseri-lo dentro de uma dieta saudável e balanceada, além de não abrir mão da prática regular de exercícios físicos.
acai
Foto: Istock/Getty Images

Por que o açaí é indicado para atletas?

O fato de o açaí ser rico em carboidratos é o que faz dele uma poderosa fonte de energia para atletas. Isso porque esses nutrientes repõem a glicose que é eliminada durante o treino, o que promove uma melhor recuperação após a atividade. Estudos mostram que o hábito de consumir o açaí aumenta o tempo que os atletas levam para chegar ao estado de exaustão, além de reduzir o estresse oxidativo e os danos musculares causados pelo exercício.
Além disso, as vitaminas, fibras e minerais presentes na fruta ajudam na manutenção da saúde do corpo e o mantêm mais forte. O potássio, por exemplo, ajuda a evitar desconfortos ocasionados por má circulação e as câimbras.
Vale consumir o açaí no pré-treino, para ter energia para realizar a prática, ou no pós-treino, para recuperar os nutrientes essenciais, sempre acompanhado de uma dieta adequada ao seu perfil e necessidades.  A dica é consultar um nutricionista, que é o profissional apto a recomendar a melhor forma de inserir esse e outros alimentos no cardápio.

Açaí previne o câncer?

O que faz do açaí um aliado na prevenção dessa temida doença é uma gordura essencial chamada ácido oleico. Esse ácido tem três ações potenciais no organismo: bloquear os genes que causam o câncer, retardar o desenvolvimento de tumores e promover a autodestruição das células cancerígenas.
Outro grande trunfo da fruta são as antocianinas. Essas substâncias ajudam a manter as células fortes e saudáveis, o que evita que elas fiquem vulneráveis a ataques dos radicais livres. O resultado é não apenas a prevenção do câncer, mas também o aparecimento de doenças cardiovasculares e neurodegenerativas, além de alergias. Até por isso o consumo do açaí é importante para quem possui deficiências nutricionais ou cumpre uma dieta muito restritiva.

O consumo excessivo de açaí faz mal?

Ao mesmo tempo em que os carboidratos são grande aliados dos atletas por conferirem energia, eles podem ser inimigos de quem não pratica atividades físicas e consome a fruta em excesso. Isso porque o corpo armazena essa quantidade excessiva e a transforma em gordura. Além disso, essa ingestão acima do recomendado pode levar ao desenvolvimento de diabetes.
É importante ainda ficar atento ao tipo de açaí consumido. Isso porque, especialmente no Sudeste do país, é muito comum a fruta vendida em pasta e adoçada com xarope de guaraná, além de vir acompanhada de ingredientes como granola e banana. Esses ingredientes tornam a preparação ainda mais calórica, o que colabora para o ganho de peso. O indicado é apostar em porções pequenas, que equivalham a, no máximo, 6% do consumo diário de calorias, e evitar esses complementos calóricos. Mas, como sempre recomendamos por aqui, apenas o médico nutricionista poderá indicar a quantidade e a melhor forma de consumo, com base no seu perfil físico, estilo de vida e necessidades.

Como fazer milk shake e suco de açaí saudáveis?

Milk shake
Ingredientes:
250 g de polpa de açaí pronta para o consumo
1 copo de leite de amêndoas ou 200 gras de iogurte grego
Modo de preparo:
Bata todos os ingredientes no liquidificar e sirva em seguida. Se desejar, acrescente gelo.
Suco
Ingredientes:
Uma polpa de açaí
Uma fatia de mamão
Uma maçã
200ml de água.
Modo de preparo:
Bata todos os ingredientes no liquidificador e sirva gelado. Não acrescente açúcar ou adoçantes.

Sugestão Jasmine

Gostou de conhecer todos os benefícios do açaí para a saúde? No nosso portfólio de produtos, contamos com algumas opções saudáveis que levam essa fruta na receita. A Super Fruit Bar conta com três barras de cereais de 22g. Formulada com pedacinhos de frutas vermelhas como açaí, cranberry, morango e amora, é ideal para um paladar mais cítrico. Reúne o melhor das frutas vermelhas em apenas 62 calorias por barra. A Jasmine oferece ainda os Cookies+ Integrais Suply Sem Glúten – Açaí e Chia, que é uma combinação saborosa de cereais sem glúten com frutas e sementes ricas em nutrientes essenciais para o bom funcionamento do organismo. Não deixe de experimentar esses produtos e aposte em uma dieta mais saudável para toda a família!

BARU - A CASTANHA DO CERRADO



O baru ou cumbaru (nome cientifico: Dipteryx alata) é o fruto do baruzeiro, imperiosa árvore nativa do Cerrado brasileiro. Infelizmente, esta espécie está ameaçada devido à extração predatória de madeira, que possui reconhecida resistência e qualidade, com propriedades fungicidas. Esta planta imponente, com copa densa, pode alcançar mais de 20 metros de altura e seu tronco chega até 70 cm de diâmetro. O seu fruto é protegido por uma dura casca e, no interior, encontra-se uma amêndoa de sabor parecido com o do amendoim, de alto valor nutricional e muito apreciada.
A espécie é encontrada nas matas, cerrados e cerradões do Brasil Central, nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais e Distrito Federal. Pode também ser encontrada em menor frequência no Maranhão, Tocantins, Pará, Rondônia, Bahia, Piauí e norte de São Paulo.
O baru possui cerca de 26% de teor de proteínas, mais do que o coco-da-bahia, castanha do pará e castanha de caju. O fruto pode ser utilizado integralmente, resultando em polpas de fruta, óleos, farinha, manteiga e tortas. A ele são associadas propriedades afrodisíacas. Também são conferidas ao óleo de baru propriedades medicinais anti-reumáticas.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

IMPORTÂNCIA DAS ÁRVORES PARA TER ÁGUA DE QUALIDADE.

Pesquisadores explicam a importância das árvores para ter água de qualidade

Bacias hidrográficas recobertas por vegetação florestal fornecem água de qualidade durante o ano todo.
22 de agosto de 2016 • Atualizado às 18 : 08

A floresta ainda contribui para o equilíbrio térmico da água, reduzindo os extremos de temperatura e mantendo a oxigenação do meio aquático. | Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas

Trabalhos desenvolvidos pelo Instituto Florestal (IF) comprovam que a presença de cobertura florestal em bacias hidrográficas promove a regularização do regime de rios e a melhora na qualidade da água. Os pesquisadores científicos da Seção de Engenharia Florestal, do IF, Valdir de Cicco, Francisco Arcova e Maurício Ranzini, embasaram suas teses de doutorado em pesquisas sobre a relação entre a floresta e a água, elucidando dúvidas e provando com números as suas proposições.
“As bacias hidrográficas recobertas por vegetação florestal são as que oferecem água com boa distribuição ao longo do ano, e de melhor qualidade”, enfatiza Arcova, engenheiro florestal, doutor em Geografia Física, pela Universidade de São Paulo, no IF desde 1985. Segundo ele, parte da água da chuva é retida pelas copas das árvores, evaporando em seguida em um processo denominado interceptação. A taxa de evaporação varia com a espécie, idade, densidade e estrutura da floresta, além das condições climáticas de cada região.
“Em florestas tropicais, a interceptação varia de 4,5% a 24% da precipitação, embora tenham sido registrados valores superiores a 30%”, explica. Os pesquisadores ainda dizem que as pesquisas realizadas nos laboratórios em Cunha, no parque Estadual da Serra do Mar, estimam o valor de  18% de interceptação. O restante da água alcança o solo florestal por meio de gotejamento de folhas e ramos ou escoando pelo tronco de árvores. No solo, a água infiltra-se ou é armazenada em depressões, não ocorrendo o escoamento superficial para as partes mais baixas do terreno, como aconteceria em uma área desprovida de floresta.
“O piso florestal é formado por uma camada de folhas, galhos e outros restos vegetais, que lhe proporciona grande rugosidade, impedindo o escorrimento superficial da água para as partes mais baixas do terreno, favorecendo a infiltração. Também a matéria orgânica decomposta é incorporada ao solo, proporcionando a ele excelente porosidade e, consequentemente, elevada capacidade de infiltração.”

Ilustração: Maurício Ranzini
Uma parcela da água infiltrada contribui para a formação de um rio por meio do escoamento subsuperficial, e outra, é absorvida pelas raízes e volta para a atmosfera pela transpiração das plantas. “A interceptação e a transpiração, ou a evapotranspiração, fazem a água da chuva voltar para a atmosfera não contribuindo para aumentar a vazão de um rio.”
Em florestas tropicais, a evapotranspiração varia de 50% a 78% da precipitação anual. Na pesquisa realizada em Cunha, esse número é de aproximadamente 30%. Os pesquisadores explicam que o remanescente da água infiltrada movimenta-se em profundidade e é armazenado nas camadas internas do solo e na região das rochas, alimentando os cursos de água pelo escoamento de base, isto é, do subsolo onde se localizam os lençóis freáticos.
A relação entre árvores e água varia de acordo com o tipo de floresta
Embora os processos que determinam os fluxos de água sejam semelhantes para as diferentes formações florestais, a magnitude desses processos, que depende das características da floresta, da bacia hidrográfica e do clima, influencia a relação floresta-produção de água (escoamento total do rio). Em florestas tropicais, a produção hídrica nas microbacias varia de 22% a 50% da precipitação. “Em Cunha, onde a evapotranspiração anual da Mata Atlântica é da ordem de apenas 30%, a produção de água pela microbacia é de notáveis 70% da precipitação”, afirma Francisco.

Esse mecanismo, em que a água percola o solo e alimenta gradualmente o lençol freático, possibilita que um rio tenha vazão regular ao longo do ano, inclusive nos períodos de estiagem. Nas microbacias recobertas com mata atlântica em Cunha, o escoamento de base é responsável por cerca de 80% de toda a água escoada pelo rio, fato que proporciona a elas um regime sustentável de produção hídrica ao longo de todo o ano.
Consequências da falta de vegetação
Ao contrário, em uma bacia sem a proteção florestal, a infiltração da água da chuva no solo é menor para alimentar os lençóis freáticos. O escoamento superficial torna-se intenso fazendo com que a água da chuva atinja rapidamente a calha do rio, provocando inundações. E, nos períodos de estiagem, o corpo-d’água vai minguando, podendo até secar.
Um outro fator drástico é que, enquanto nas bacias florestadas, a erosão do solo ocorre a taxas naturais, pois o material orgânico depositado no piso impedem o impacto direto das gotas de chuva na superfície do solo, nas áreas desprovidas de vegetação há um intenso processo de carreamento de material para a calha do rio aumentando a turbidez e o assoreamento dos rios.
Segundo Maurício, na microbacia recoberta com Mata Atlântica em Cunha, a perda de solo no rio é da ordem de 162 kg/hectare/ano. “Esse valor é muito inferior à perda de solo registrada para o estado de São Paulo, que varia de 6,6 a 41,5 t/hectare/ano, dependendo da cultura agrícola, algo como 12 toneladas num campo de milho, 12,4 toneladas numa área de cana-de-açúcar, chegando a até 38,1 toneladas numa plantação de feijão”, informa em tom de alerta.
A floresta representa muitos outros benefícios para os sistemas hídricos. Contribui, por exemplo, para o equilíbrio térmico da água, reduzindo os extremos de temperatura e mantendo a oxigenação do meio aquático. Promove, ainda, a absorção de nutrientes pelas árvores, arbustos e plantas herbáceas evitando a lixiviação excessiva dos sais minerais do solo para o rio.
Fonte : CicloVivo

segunda-feira, 14 de maio de 2018

VIVERO ALEGRÍA - Limpiatubos - Callistemon citrinus





Fonte: site flores e folhagens

Escova-de-garrafa - Callistemon citrinus





.
Arbusto
ou arvoreta, pertence à família Myrtaceae, nativa da Austrália e Nova
Zelândia, perene, de até 3 metros de altura e muito ornamental.
Folhas verdes brilhantes, de textura média, em formato de lança e quando amassadas exalam uma fragrância agradável de limão.
Flores
inteiramente vermelhas brilhantes, com pontas douradas, que lembram
efetivamente uma daquelas escovas com as quais se limpam garrafas. São
dispostas nas extremidades dos ramos, que continuam a crescer após a
floração e às vezes também nas axilas das folhas superiores. Surgem
quase o ano todo, mas principlamente em novembro e dezembro e atraem
abelhas, borboletas e beija-flores.
Frutos lenhosos, em forma de taça em cachos cilíndricos ao longo do tronco após a floração.
Em paisagismo é usada em jardins como planta isolada, em grupos formando maciços, renques e cercas vivas. Muito usada em calçadas e na formação de bonsais.
.


Cuidados com a Escova-de-garrafa
Clima: Tropical, Subtropical, Mediterrâneo, Temperado.
Cultivada
a pleno sol, não é exigente e aceita uma ampla variedade de solos.
Contudo se desenvolve melhor em solo fértil, rico em matéria orgânica e
enriquecida de farinha de osso. O solo deve ser bem drenado e com regas
regulares. Depois de estabelecida tolera curtos períodos de seca.
Usar
no início da primavera, adubo orgânico enriquecido com farinha de osso e
no verão com adubo químico NPK 4-14-8, seguindo orientação do
fabricante.
Pode
ser podada apenas com pequenos cortes de contenção. A Escova-de-garrafa
é geralmente cultivada como um arbusto, mas ocasionalmente pode ser
educada como uma pequena arvoreta.
Multiplica-se por sementes e por estacas.
.


Escova-de-garrafa - Callistemon citrinus


.

Coração de Bananeira: Conheça os benefícios e aprenda 4 receitas!!!

 fonte: souvegetariano.com

Você sabe o que é Coração de Bananeira?

voce-conhece-coracao-de-bananeira

O Coração da Bananeira é uma PANC que vem ficando cada vez mais conhecida. Também chamada de umbigo da bananeira, ou simplesmente de coração de banana, este “pedaço” da bananeira que normalmente era descartado, hoje vem sendo utilizado como alimento em muitos países.

coracao-da-banana
Coração de Bananeira / Foto: Marina Godward

É aquela parte bonita, bem roxa, que fica pendurada logo abaixo do cacho de banana. Normalmente é descartado, para não roubar os nutrientes da banana. Mas saiba que o coração da bananeira pode ser aproveitado (e muito bem!) em diversas receitas.

bananeira-coração-de-banana
Coração de Bananeira na bananeira / Foto: Marina Godward

Essa “pequena” PANC (planta alimentícia não convencional) rende receitas como caponatas, mexidos, escondidinhos e até XAROPE!

coração-de-bananeira-na-bananeira
Coração de Bananeira na bananeira / Foto: Marina Godward

Mas antes de te explicar como utilizar o Coração da Bananeira vamos te contar alguns benefícios:

• Popularmente o Coração de Bananeira é utilizado no preparo de xarope para tratar doenças respiratórias, como asma e bronquite
• Ele possui alto teor de carboidratos e de proteínas, associado à um baixo teor de lipídeos (gorduras) e calorias. Ou seja, o Coração de Banana te dá bastante energia e nada de gordurinhas e calorias.
• O coração de bananeira é uma boa fonte de fibras, que auxiliam na manutenção da saúde gastrointestinal. Por isso é bem comum ouvir por aí que o umbigo da banana ajuda a prevenir doenças, contribui para a redução dos níveis de colesterol, para a normalização da glicose sanguínea e facilita a motilidade intestinal, evitando constipação
• E por último, mas não menos importante, o coração da banana é relativamente barato. Então você pode aproveitar seus benefícios gastando pouquinho, e de quebra evitando o desperdício 

Aqui no nosso veggie office, nós inventamos um escondidinho de coração de bananeira. O início do seu preparo é basicamente o mesmo que você irá fazer em outras receitas. Olha que fácil.

Primeiro Você descasca o Coração de Bananeira.

descascar-coracao-da-banana
Coração de Banana descascado | Foto: Marina Godward

Esses pedacinhos brancos entre cada camada de casca também são utilizados.

Depois você corta o coração da banana em fatias

cortar-coracao-da-banana
Coração de Banana picado | Foto: Marina Godward

Cozinhe o coração de bananeira com bastante água e bicarbonato de sódio até ferver.

misturar-coracao-de-banana-com-agua-e-sodio
Coração de Banana picado na panela| Foto: Marina Godward

Depois você escorre o Coração de Banana

escorrer-o-coracao-de-bananeira
Coração de Banana pós ferver| Foto: Marina Godward 

E repete o processo com a água e o bicarbonato de sódio.

entendi

Feito isso, é só misturar com outros tempeiros conforme a receita que você for fazer.

misturar-coracao-de-banana-com-tempeiro
Coração de Banana refogado | Foto: Marina Godward

A gente fez este Escondidinho

escondidinho-coracao-banana-vegano
Escondidinho de Coração de Banana| Foto: Marina Godward

Para pegar nossa receita completa é só clicar aqui.

Além de escondidinho. O Coração de Banana também rende outras super receitas (modéstia a parte, a nossa é de longe a mais bonita o/)

nossa-receira-de-coracao-de-bananeira

Tem Antipasto
Antepasto-de-coração-de-banana
Receita completa aqui.

Caponata
Caponata-De-Coracao-De-Banana
Receita completa aqui.

E até xarope
receita-xarope-corção-bananeira
Xarope caseiro | Foto: Blog Pilotando Fogão

Receita completa aqui.